Um dos destaques para o último dia da Web Summit 2019 era a declaração de Michael KratsiosCTO dos Estados Unidos da América. O propósito do discurso seria falar da perspetiva da Casa Branca para a tecnologia.

Centre Stage foi palco de uma declaração que seguiu a linha política da administração de Donald Trump. Uma união forte entre Estados Unidos e Europa, críticas duras à China e às suas empresas e a exaltação da capacidade americana em liderar o mundo democrático.

Michael Krartsios começou por falar da “familiaridade” que os americanos sentem ao pisar solo europeu. O americano reconhece que uma grande parte da evolução tecnológica surgiu no Velho Continente e que os Estados Unidos “souberam aproveitar essas inovações e expandi-las”.

CTO americano defende que o futuro depende de uma cooperação entre os Estados Unidos e a Europa. Um trabalho que tem de defender a tecnologia e os valores tradicionais de “ameaças estrangeiras”.

Web Summit

Fotografia: Tiago Serra Cunha/EF

É  aqui que Michael Krartsios entra na parte mais forte do seu discurso. O Ocidente tem de se “defender de um governo chinês agressivo” e desrespeitador de princípios democráticos. “O grande sistema de censura chinês viola vários direitos humanos”, afirma Krartsios.

A empresa chinesa Huaweii foi o alvo de uma das passagens mais duras do discurso. O representante da Casa Branca disse que a Huaweii era um “exemplo da expansão global do autoritarismo chinês”. De recordar que o CEO da HuaweiiGuo Ping, discursou na cerimónia de abertura da Web Summit.

Michael Krartsios entra na conclusão do discurso para reforçar os seus pontos principais. Na audiência, alguém grita “Quanto tempo falta?” e recebe alguns aplausos.

Perturbações à parte, o CTO diz que os Estados Unidos continua a ser o “local de nascimento das grandes mudanças”. Não se devem impõr regulações à “evolução tecnológica” e não a Inteligência Artificial não pode ser “restringida”. Quanto à China, o país “roubou a propriedade intelectual” do Ocidente.

Michael Krartsios termina o discurso em que a tecnologia serviu de arremeso político e aos aplausos tímidos iniciais seguem-se os mais intensos apupos. A declaração do representante da Casa Branca foi a única a ser vaiada na Web Summit 2019.