Este artigo foi patrocinado.

A Netflix não é apenas um fenómeno americano. A empresa oferece o seu serviço de streaming em quase todos os países do mundo. Porém, devido a acordos de licenciamento negociados por país, a programação de streaming da Netflix pode variar bastante de um território para o outro.

Muitos filmes e séries que os utilizadores norte-americanos podem ver apenas no Hulu, Amazon Prime Video ou outros serviços de streaming, estão disponíveis no serviço Netflix de outros países. No entanto, podes assistir a alguns desses programas se utilizares uma VPN ou um serviço de proxy para fingires que estás num país onde a Netflix oferece essa programação. Para isso podes usar a tua conta Netflix normal, porque esta aplica-se a todo o mundo.

Existem algumas ressalvas. A Netflix tenta bloquear VPNs e serviços de proxy, portanto, talvez precises mudar de um servidor VPN para outro até encontrares um que funcione. A Netflix também poderia, em tese, cancelar sua conta se o serviço capturar você visualizando conteúdo do exterior, embora seus termos de serviço sejam vagos sobre o assunto e tal coisa nunca tenha acontecido na realidade.

Fundada em 1997, a Netflix é uma empresa americana especializada no fornecimento e streaming de media e, recentemente, especializada em filmes e programas de televisão. Em 2010, a empresa deu um salto em direção ao domínio global, começando por estender o serviço ao Canadá. No ano seguinte, a Netflix chegou aos países da América Latina, começando pelo Brasil e depois cobrindo o resto da América do Sul.

Após uma expansão cada vez maior, a Netflix dominou quase totalmente o mundo, fornecendo seus serviços para um total de 190 países. Cada catálogo, no entanto, é único e o que pode ser encontrado em uma, pode não existir noutra.

Image by mohamed Hassan from Pixabay

Conteúdos portugueses na Netflix

Em Portugal a Netflix já realizou parcerias com alguns realizadores e com a SIC. João Canijo já forneceu dois filmes seus para a plataforma; Portugal – Um Dia de Cada Vez e É o Amor. O primeiro é um documentário construído a partir de um projeto de filme no qual a atriz Anabela Moreira vai ao norte do país para pesquisar um longa-metragem para Canijo; o resultado da pesquisa foi tão positivo que eles decidiram criar um filme a partir do material pesquisado.

É o Amor é uma produção de 2012 que conta a história de amor quotidiana de um pescador e sua mulher. Da SIC já foram comprados os direitos de telenovelas e telefilmes como Lua Vermelha, Sal, Rosa Fogo e Amo-te Teresa.

O documentário de Gonçalo Tocha sobre a ilha do Corvo nos Açores, “É na Terra Não É na Lua” também já esteve disponível no catálogo português.

Produções europeias

A Netflix aumentou em um terço a quantidade de programas europeus que produz neste ano de 2019, numa tentativa de contratar emissoras tradicionais.

O serviço de streaming aumentou o número de documentários, séries e filmes europeus de 141 no ano passado para 221. Mais de 150 são produções originais. A empresa, que tem 130 milhões de assinantes em todo o mundo, já encomendou quatro novas séries de televisão de países europeus, de modo a responder à procura por mais séries locais e programação regional.

As novas produções incluem Young Wallander, que será ambientado na Suécia, mas produzido por uma empresa britânica, e Criminal, que estreou recentemente e é ambientado na França, Alemanha, Espanha e Reino Unido.

Erik Barmack, vice-presidente de originais internacionais da Netflix, disse: “Chegará um momento em que metade dos dez principais programas do mundo não estará no idioma inglês e os programas com elenco multinacional – e geralmente em vários idiomas – se tornarão a norma.”