Depois das críticas ao Marvel Cinematic Universe por parte de Scorsese e (agora) Coppola, James Gunn, o produtor de Guardians of the Galaxy, deixou uma resposta aos cineastas aclamados.

No início do mês, enquanto promovia o seu novo filme, The Irishman, Martin Scorsese deixou alguns comentários desfavoráveis em relação ao universo da Marvel: desde uma comparação dos mesmos a parques de diversões, até às críticas da falta de uma experiência emocional captivante por parte dos atores. Scorsese rematou com a afirmação de que “os filmes da Marvel não são cinema”.

Ao realizador de Taxi Driver (1976) juntou-se recentemente o responsável pela obra The Godfather (1972, o II em 1974, o III em 1990), Francis Ford Coppola, que não só concordou com Scorsese como acrescentou que os filmes do Marvel Cinematic Universe são “desprezíveis”. “Nós temos esperança de aprender algo com o cinema, temos esperança de ganhar algo, algum esclarecimento, algum conhecimento, alguma inspiração. Não sei se alguém ganha algo ao ver o mesmo filme outra vez e outra vez”, acrescentou.

As palavras de Scorsese e de Coppola têm atenção imediata por parte de quem está investido na área do cinema, devido ao seu status enquanto dois dos maiores cineastas reconhecidos mundialmente. Ambos marcaram a era do New Hollywood filmmaking, contribuindo significativamente para a indústria na segunda metade do século passado.

LÊ TAMBÉM: MARTIN SCORSESE AFIRMA QUE FILMES DA MARVEL NÃO SÃO CINEMA

Alguns dos envolvidos nas produções da Marvel foram deixando respostas a estas afirmações, nomeadamente Robert Downey Jr. (conhecido pelo papel de Tony Stark/Iron Man) e, ontem (20), James Gunn.

O produtor de Guardians of the Galaxy, Vol. I e Vol. II (2014 e 2017), da Marvel, e de Suicide Squad (2016), da DC, defendeu o género de filmes através de uma publicação no seu perfil de Instagram, onde alude à passagem do tempo como determinante daquilo que é produzido e se torna popular. No século XXI, filmes de super-heróis.

“Muitos dos nossos avós achavam que todos os filmes de gangsters eram o mesmo, chamando-lhes ‘desprezíveis’. Alguns dos nossos bisavós acharam o mesmo dos westerns, e acreditavam que os filmes de John Ford, Sam Peckinpah e Sergio Leone eram exatamente o mesmo. (…) Superheróis são, simplesmente, os gangsters/os cowboys/as aventuras no espaço de hoje”, foram algumas das suas palavras.

View this post on Instagram

Many of our grandfathers thought all gangster movies were the same, often calling them “despicable”. Some of our great grandfathers thought the same of westerns, and believed the films of John Ford, Sam Peckinpah, and Sergio Leone were all exactly the same. I remember a great uncle to whom I was raving about Star Wars. He responded by saying, “I saw that when it was called 2001, and, boy, was it boring!” Superheroes are simply today’s gangsters/cowboys/outer space adventurers. Some superhero films are awful, some are beautiful. Like westerns and gangster movies (and before that, just MOVIES), not everyone will be able to appreciate them, even some geniuses. And that’s okay. ❤️

A post shared by James Gunn (@jamesgunn) on

James Gunn afastou-se das produções da Marvel em 2018, seguido de uma polémica relativamente a comentários feitos pelo cineasta há cerca de uma década. No entanto, o seu regresso estará marcado, ainda sem data prevista, para a realização do Vol. III de Guardians of the Galaxy.

Antes disso, James Gunn tem já data marcada para a entrega do reboot de Suicide Squad, em agosto de 2021, que conta com as atuações de Margot Robbie, Viola Davis, e ainda a estreia da portuguesa Daniela Melchior.

LÊ TAMBÉM: JOKER VS. JOKER: JARED LETO TENTOU IMPEDIR JOKER DE TODD PHILLIPS DE SER FEITO