quinta edição do Festival de Cinema Queer Porto arrancou no passado dia 16 de outubro, no Rivoli, e prolonga-se até este domingo (20). A programação do evento recorda os 50 anos dos Motins de Stonewall e apresenta uma competição de filmes tanto ficcionais como documentais.

No terceiro dia de festival (18), exibiram-se mais três filmes candidatos ao prémio. O dia terminaria com The Gospel Of Eureka, mas antes o público teve oportunidade de conhecer A Dog Barking at the Moon Madame. Pelo meio, celebraram-se os 20 anos da Agência de Curtas-Metragens Portuguesa, através de uma sessão especial com a curadoria de Cláudia Varejão.

O Espalha-Factos resumiu os pontos principais deste dia. No entanto, The Gospel Of Eureka merece um destaque especial. Descobre porquê!

Um conto surpreendente

Eureka é uma cidade sulista localizada no estado de Arkansa. A comunidade é composta por uma fusão entre cristãos evangélicos e pessoas LGBTQ+. Num sítio onde todos são católicos, desde o padre local até às drag queens que animam a vida noturna, este documentário propõe provar que a fé pode coexistir com qualquer forma de sexualidade.

Narrado por Justin Vivian Bond, artista transgénero de grande importância nos Estados Unidos, The Gospel Of Eureka conta a sua história de forma sincera e, simultaneamente, irónica. O humor do filme existe não por estilo dos realizadores, Michael Palmieri Donal Mosher, mas pela personalidade única da própria cidade.

LÊ TAMBÉM: ENTREVISTA. O TELEJORNAL, A “PRIMEIRA CASA” DE JOSÉ RODRIGUES DOS SANTOS, FAZ 60 ANOS

Ao longo de mais de uma hora seguimos um casal homossexual masculino, religioso e dono de um bar de drag queens, uma peça de teatro com um orçamento e escala absurdos da Paixão de Cristo, uma mulher transexual octogenária e os resultados do voto num decreto-lei sobre igualdade de género. O espetador fica a conhecer um pouco de tudo de Eureka, um símbolo improvável de tolerância.

“Fé não é sobre quem fod****, é sobre quem amamos” é dito por Lee, uma das personagens principais do documentário, e resume o modo de pensar desta cidade pitoresca. As reflexões feitas ao longo de The Gospel Of Eureka são desarmantes e provam que há esperança para um futuro mais igual e tolerante.

Queer Porto

Uma das drag queens de Eureka

“Estão a acontecer mudanças”

Michael Palmieri e Donal Mosher marcaram presença no Queer Porto para a exibição de The Gospel Of Eureka. Os realizadores explicaram que foram destacados para gravar um pequeno documentário sobre um voto político, mas ao chegar à cidade descobriram que “havia muito mais para contar”.

Eureka tornou-se, durante os anos 70, “um ponto de encontro para freaks”, ao mesmo tempo que também se tornava um local turístico cristão, graças à peça da Paixão de Cristo. Sobre o teatro religioso, o duo admitiu que os responsáveis da Igreja local foram muito acessíveis.

Para concretizar o documentário, os realizadores tiveram de “elaborar um diálogo honesto”, livre de preconceitos, com todos os elementos da cidade. Ambos os artistas não deixaram ficar surpreendidos “pela crença forte da comunidade queer”, algo que desafia a norma.

Palmieri e Mosher acreditam que The Gospel Of Eureka prova que “estão a acontecer mudanças”. O progresso existe, temos é de o saber promover. Numa hora e um quarto, este documentário fantástico do Queer Porto alcança esse objetivo.

LÊ TAMBÉM: OH LES FILLES!: O DOCUMENTÁRIO FEMINISTA SOBRE ROCK ‘N’ ROLL QUE NADA TRAZ DE NOVO
The Gospel Of Eureka
9Excelente
Votação do Leitor 0 Votos
0.0