Chama-se Luso e é baseado na história de Pedro Francisco, um português que lutou ao lado de George Washington na revolução americana. Com um orçamento de 15 milhões de dólares (13,5 milhões de euros), o filme é produzido por Travis Bowman e realizado por Diogo Morgado.

Em declarações à agência Lusa, Bowman afirma que o filme “é baseado numa história verdadeira; e toda ela é épica”. O produtor e argumentista, trineto do herói português, explica que a intenção é a de produzir um filme independente com as características cinematográficas de grandes dramas históricos, como Braveheart e Gladiador.

A película que parte do livro que Travis Bowman publicou em 2009 sobre Peter Francisco, intitulado Hércules da Revolução, será realizada por Diogo Morgado. Conta com Brian Patrick Wade no papel principal, assim como os atores Daniela Ruah, Sónia Braga e Fredy Costa.

Confirmado está também o orçamento do filme, 15 milhões de dólares (13,5 milhões de euros). “Estamos a trabalhar no financiamento e temos o City National Bank em Beverly Hills que vai financiar 10 milhões”, explica o produtor, afirmando também que os restantes cinco milhões serão disponibilizados por investidores “em troca de um bom retorno se o filme tiver sucesso”.

Lê também: ‘MALÉFICA: MESTRE DO MAL’, A VILÃ ESTÁ DE REGRESSO AOS CINEMAS
Pedro Francisco

Pedro Francisco a atacar um soldado britânico a cavalo

“Os factos são surpreendentes e é incrível que este filme nunca tenha sido feito”. Para Bowman, “talvez fosse necessário alguém com paixão, um descendente do Peter como eu” para que o projeto fosse realizado. Projeto esse que começou a ser trabalhado por Travis há cinco anos, mas que hoje é repartido com Chris Cates e Leah Allen.

Aquando da escrita do livro, “já pensava que isto tinha todos os ingredientes de um blocksbuster”. Depois, realizou um mini-documentário para o Canal História que é, até hoje, o único dedicado ao herói açoriano.

O produtor destaca ainda que o nome “Luso” refere-se à alcunha que Peter Francisco recebeu do General Lafayette e lembra que a sua avó lhe “falava muito do Peter quando era mais novo”.

“É um rapaz raptado em criança que cresce para se tornar um gigante”

Nascido nos Açores em 1760, Pedro Francisco foi raptado aos cinco anos e abandonado num porto do estado norte-americano da Virginia. Aos 16 anos alista-se no 10.º regimento da Virginia para combater na Guerra Revolucionária, tornando-se notório como soldado em batalhas como a de Camden, em 1780, e Guilford Courthouse, em 1781.

Após a vitória sobre os britânicos, o primeiro presidente norte-americano, Goerge Washington, terá afirmado que sem Peter Francisco (nome pelo qual Pedro Francisco é reconhecido nos EUA) os Estados Unidos poderiam ter perdido a guerra. “É verdadeiramente um exército de um homem só”, uma citação de Washington inscrita num monumento em honra ao português situado em New Bedforf, Massachussetts.

Atualmente, são vários os estados norte-americanos que assinalam o Dia de Peter Francisco em memória do “gigante” açoriano que matou 11 soldados britânicos e quase morreu dos ferimentos sofridos em batalha. A data, 15 de março, coincide com o aniversário da Batalha de Guilford Courthouse, em Greensboro.

O soldado, que recebeu de Washington uma espada de 1,80m após a independência, tem também edificados monumentos na Carolina do Norte, Nova Jérsia, Rhode Island e Virginia. Em 1976 foi emitido na coleção bicentenária dos EUA um selo com a cara de um “soldado extraordinário”.

Pedro Francisco

Selo postal em homenagem a Pedro Francisco

Três anos de espera

Com o início das filmagens previsto para o primeiro trimestre de 2020, a equipa aponta para o lançamento internacional em 2022, com os acordos de distribuição nos mercados fora dos Estados Unidos, onde Portugal e o Brasil se inserem, a serem fechados antes disso.

As filmagens de Luso terão como plano de fundo Portugal, Virginia e Carolina do Norte. Travis Bowman e Brian Patrick Wade deslocaram-se duas vezes a Portugal no último ano para reuniões com o Instituto do Cinema e do Audiovisual, que tem um programa de incentivos para produções estrangeiras. Também foram estabelecidos contactos com a NOS para que a maior rede de cinemas do país assegure a sua distribuição.

O produtor e ator principal estiveram ainda presentes na 23.ª gala anual do Conselho de Liderança Luso-Americano dos Estados Unidos, que decorreu em Sacramento a 12 de outubro.