Quase quinze anos após a sua publicação, John Green vê mais uma das suas obras adaptadas ao ecrã, desta vez, numa minissérie de oito episódios. À Procura de Alaska estreia dia 19 de outubro na HBO Portugal.

Imagem: Divulgação / HBO Portugal

À Procura de Alaska (Looking for Alaska), publicado em 2005, é o primeiro romance de John Green – autor de A Culpa é das Estrelas (The Fault in our Stars) e, mais recentemente, Mil Vezes Adeus (Turtles All The Way Down).

A história segue a experiência de Miles, um adolescente introspetivo, quando este se matricula num colégio interno no Alabama. Lá forma amizades, conhece o Coronel – ou Chip – o seu colega de quarto, e Alaska Young, a misteriosa colega por quem desenvolve uma paixoneta.

O grupo acaba por se unir aquando de uma tragédia inesperada e a trama segue-os a lidar com o que aconteceu e a tentar descobrir o que se passou.

Nova série

Imagem: Divulgação / HBO Portugal

John Green ganhou fama como autor de vários livros para jovens adultos, alguns dos quais têm ganho, nos últimos anos, adaptações ao grande ecrã: A Culpa é das Estrelas, com Ansel Elgort e Shailene Woodley, e Cidades de Papel, com Cara Delevingne e Nat Wolff.

Desta vez, no entanto, a Paramount Television e a Schwartz e Stephanie Savage’s Fake Empire decidiram adaptar este romance no formato de uma minissérie.

Conta com oito episódios e tem  John Green como um dos produtores executivos. É já este sábado (dia 19 de outubro) que fica disponível por completo na HBO Portugal.

Imagem: Divulgação / HBO Portugal

A série traz novas caras ao ecrã, tendo em conta o contexto escolar em que se passa a ação: Kristine Froseth é a atriz norueguesa-americana que interpreta Alaska Young, e Charlie Plummer encarna Miles “Pudge” Halter.

A eles juntam-se Denny Love, Jay Lee, Landry Bender, Sofia Vassilieva, Uriah Shelton e Jordan Connor. Já conhecidos do público, Ron Cephas Jones (This is Us) e Timothy Simons (Veep) também fazem parte do elenco.

Banido nos Estados Unidos

Fonte: Goodreads

À Procura de Alaska, lançado há mais de quinze anos, é um bestseller, finalista dos Los Angeles Times Book Awards e considerado um dos 100 romances Young Adult (para jovens adultos) mais importantes de sempre pela revista TIME.

Em 2016, valeu a John Green o Prémio Michael L. Printz . Este é um galardão atribuído anualmente pela American Library Association àquele que considera ser o melhor livro escrito para adolescentes nos Estados Unidos nesse ano.

Porém, em 2015 (dez anos após a sua publicação) o romance liderou a lista dos livros mais banidos nas escolas dos Estados Unidos. Em causa está a presença daquilo que alguns pais e administradores em algumas escolas consideraram uso de linguagem profana, conteúdo explícito, e uso abusivo de tabaco e álcool por adolescentes.

Inspiração pessoal

Foto: © Marina Waters via Facebook Oficial de John Green

O livro, no entanto, é um dos mais pessoais de John Green que, como a personagem principal Miles, se mudou da Florida para o Alabama para frequentar um colégio interno durante parte da sua educação secundária.

Foi lá que, como Miles, Green conheceu professores e pessoas que o iriam influenciar e moldar para o resto da vida. Também Green, quando adolescente, desenvolveu uma paixão pelas últimas palavras de personalidades famosas – gosto esse que passou também à personagem principal do seu primeiro romance.

Lê também: MARGARET ATWOOD E BERNARDINE EVARISTO VENCEM O MAN BOOKER PRIZE 2019

É por isso um projeto extremamente pessoal que John Green documentou em parte no canal Vlogbrothers que mantém há mais de uma década no Youtube com o irmão, também autor, Hank Green. Podes ver um desses vídeos abaixo, e mais no canal.