No próximo dia 10 de outubro, quinta-feira, o mundo vai conhecer dois vencedores do Prémio Nobel da Literatura. O vencedor de 2019 vai partilhar o palco com o vencedor de 2018, que nos é dado a conhecer apenas um ano depois das acusações de abusos sexuais que foram divulgadas contra o marido de um dos membros da Academia Sueca.

Recorda a notícia de 2018: Nobel da Literatura cancelado devido a escândalo sexual

No ano que se seguiu a Academia responsável por selecionar os prémios Nobel comprometeu-se com uma reforma de transparência e o resultado vai ser a entrega de dois prémios Nobel da Literatura, já esta semana. À cerimónia de entrega do Nobel de 2019 vai-se juntar o prémio de 2018, encerrando o escândalo de abusos sexuais.

Just one more week to go until the Nobel Prizes in Literature for 2018 and 2019 are announced! Join the excitement as we…

Publicado por Nobel Prize em Quinta-feira, 3 de outubro de 2019

E quais foram as Reformas da Academia?

Depois das reformas da Academia os seus membros podem agora demitir-se voluntariamente e vários já o fizeram. A principal demissão foi Katarina Frostenson, a poeta cujo marido cumpre agora anos na prisão por acusações de violação.

Antes desta reforma, os membros não se podiam demitir voluntariamente e só podiam ser substituídos depois da sua morte.

Mais mudanças são necessárias. Gostaria de ver uma reforma mais abrangente da Academia.” Disse Ingrid Elam, professora de literatura da Universidade de Gotemburgo, acrescentando a necessidade de definir um limite de idade.

Eles devem estabelecer um limite idade até aos 80 anos para os seus membros e devem trabalhar muito mais com comités de tempo limitado.”

Mas a Fundação Nobel quer mais

“Eu acho que eles podem, e em alguns casos já o começaram a fazer, agir mais abertamente do que têm feito no passado e eu penso que isso seria uma coisa boa,” admitiu Lars Heikensten, o diretor executivo da Fundação Nobel em declarações à Reuters.

Heikensten foi o principal responsável pelo adiamento do prémio de 2018 e apenas em Maio deu luz verde à Academia para premiar o vencedor para 2019.

A nossa reputação é tudo, lembrou Heikensten, reforçando a imporância de “evitar situações desta natureza, que não podem ser repetidas“.

Um código de conduta comum para todos os órgãos premiados foi a resposta da Fundação Nobel para o escândalo. O código vai assegurar a confidencialidade dos nomes a ser considerados, lidar com conflitos de interesse e nepotismo.

Os favoritos para o prémio Nobel de Literatura de 2019? Nomes como a poeta canadiana Anne Carson, a romancista Maryse Condé, natural da ilha de Guadalupe (território da França nas Caraíbas) e a autora japonesa Haruki Murakami.

Lars Heikensten à esquerda. Fonte: Twitter ERC Europe