Termina esta sexta-feira (4) na RTP2 a primeira temporada de MãePaiFilho. A série da BBC, com sucesso para os padrões do canal público, chega assim ao fim depois de uma emissão de oito episódios. E agora, vem aí uma segunda temporada?

Tudo indica que não. De acordo com o jornal Daily Star, que cita fontes internas da estação pública britânica, a série “não vai voltar para uma segunda temporada”. A explicação é simples: “MãePaiFilho tinha tudo – uma lenda da representação, um grande enredo e histórias emocionantes – mas por alguma razão não conseguiu a audiência que esperávamos“, adianta a mesma fonte.

O desfecho, contudo, não é totalmente inesperado. “O autor, o Tom Rob Smith, planeou a série para durar apenas uma temporada“, explica o jornal Metro. No entanto, e como não era claro o final à altura das gravações, a primeira temporada termina com alguns assuntos por resolver – dos quais os espectadores nunca vão ter conhecimento.

A produção, que foi a mais vista do BBC iPlayer enquanto esteve disponível na plataforma, conquistou uma audiência média de dois milhões de espectadores e teve uma subida de 103% face à média da série quando contabilizadas as gravações e outros visionamentos em diferido. Em Portugal, a trama foi a série com mais audiência transmitida pela RTP2 em 2019, superando consistentemente a barreira dos 100 mil espectadores.

O cansaço de Gere

Richard Gere, que voltou à televisão após 30 anos para protagonizar MãePaiFilho, um grande investimento da BBC, tornou público algum cansaço pelo ritmo acelerado de gravações, que implicaram seis meses seguidos de trabalho.

Na série, o ator interpreta Max Finch, um empresário americano que detém um dos impérios de comunicação social mais influentes do mundo.

O filho Caden (Billy Howle) dirige o jornal britânico The National Reporter e prepara-se para seguir os passos do pai. Mas embora Max o tenha colocado num cargo de alto prestígio, o que o torna numa das pessoas mais poderosas do país, Caden sabe que é considerado dispensável. A frustração por não corresponder às expectativas do pai leva Caden a refugiar-se nas drogas, entrando numa espiral fora de controlo.

Depois de um encontro desastroso com o pai, o estilo de vida destrutivo de Caden acaba por desencadear um acidente vascular cerebral extenso que o deixa incapacitado. Este acontecimento devastador obriga à união de uma família em rutura e ameaça o futuro do império empresarial de Max, com implicações profundas no país em véspera de eleições.

Além de ter de reaprender tarefas básicas durante o difícil processo de reabilitação, Caden tem também de gerir a difícil relação com o pai e a mãe Kathryn (Helen McCrory), que se afastou de Max após a separação, e decidir que tipo de vida quer viver.