Diana Niepce apresenta na Biblioteca de Marvila, em Lisboa, o espetáculo 12 979 DIAS. Sobe a palco nos dias 4 e 5 de outubro (sexta e sábado) e conta com o apoio da Associação Salvador.

O resultado do laboratório de dança criado pela artista, assume-se “com o objetivo de combater a discriminação da sociedade e perpetuar uma mudança em nós e nos outros”.

Dançado por André Ferreira, Bartosz Ostrowsky, Bruno Freitas, Carla Ribeiro, Diana Niepce, Joana Cadete, Karen Sampaio, Marta Xavier, Paulo Sá e Sara Ferreira, 12 979 DIAS é o reflexo dos dias que os artistas que integram o espetáculo estiveram internados devido a problemas físicos ou psíquicos.

Assumido espectáculo de dança contemporânea, sublinha que as deficiências físicas também são compatíveis com as artes performativas. Nas palavras de Diana Niepce, o trabalho apresentado “é uma dança contemporânea disponível para todos, com um autoconhecimento e controlo do corpo. Acredito que as pessoas com deficiência não tem uma voz presente no nosso país e aqui eles têm espaço para a sua própria identidade, sem julgamentos e com espaço para erro. Aqui a deficiência é uma virtude e a acessibilidade tenta tornar-se mainstream”.

LÊ TAMBÉM: A ‘REFORMA POLÍTICA’ CHEGA A LISBOA PARA DEBATER O SISTEMA POLÍTICO BRASILEIRO

Corpos e rostos que quebraram e continuam a quebrar as barreiras e a diferença dançam contando histórias sobre temas como a institucionalização, as ineficientes políticas em torno da diferença e o trabalho com corpos que não encaixam na norma e naquilo que a sociedade impõe como padrão. A peça de dança faz questionar o espectador dos distintos preconceitos que guarda dentro de si, utilizando para isso uma linguagem – física – dura e crua.

12 979 DIAS é um espetáculo com entrada gratuita e está acessível a todo o tipo de público, contando com acessos para pessoas com mobilidade reduzida, pessoas com deficiência visual e surdos, assim como sessões com audiodescrição.