Nos Estados Unidos, os disfarces e as máscaras alusivas a Joker serão banidos nas exibições do filme, com estreia marcada para 3 de outubro em Portugal.

A produção de um filme baseado em Joker, o vilão da DC Comics, está anunciado desde 2016. Este ano, torna-se uma realidade nas salas de cinema. E, ainda antes da sua estreia mundial, o filme já é palco para controvérsia.

Nos Estados Unidos da América, preocupações relativamente a violência armada levaram várias companhias de cinema a reforçar a proibição de certos comportamentos dentro das salas de cinema. Para Joker especificamente, são proibidas máscaras ou roupas que provoquem desconforto aos outros espectadores no anfiteatro.

É o caso da Landmark Theatres ou da AMC Theatres, a maior detentora de salas de cinema nos Estados Unidos, que referiram especificamente não permitirem máscaras e pinturas faciais. Nos cinemas da AMC, os disfarces são permitidos, desde que não incluam a cara e que não sejam utilizados adereços (ou até armas falsas).

A questão da violência armada no entretenimento

Estas preocupações partiram de familiares das vítimas de um tiroteio em 2012, em Aurora , no estado do Colorado. O tiroteio decorreu durante uma exibição noturna do filme The Dark Knight Rises, também parte do universo da DC Comics. As críticas foram dirigidas à Warner Bros., que em resposta afirmou que o filme não aprova ou patrocina qualquer tipo de violência do mundo real. O filme Joker, porém, não será exibido nos locais onde, há sete anos, o terror reinou fora dos ecrãs – Century Aurora e XD Theatre.

O argumento da violência armada ser provocada por entretenimento em que violência seja retratada tem uma forte adesão popular nos Estados Unidos, onde a regulação da venda de armas é um assunto também fortemente questionado em praça pública.

A par disto, foi ainda dito em comunicado oficial pelo exército norte-americano que o FBI recolheu informação de um “potencial e credível tiroteio” relacionado com o filme, após várias discussões em fóruns da dark web, descritas como “perturbadoras e muito específicas“. A polícia de Los Angeles esclareceu, no entanto, que não existem ameaças concretas na área. Apesar disso, manter-se-ão atentos e perto das salas de cinema, especialmente nas horas de exibição.

Sobre Joker

Joker – ou, em português, Coringa – é uma das personagens mais emblemáticas do universo da DC Comics.

Apareceu em diversos filmes do universo, representado por diferentes atores e tendo diversas interpretações. Destacamos o psicopata, “agent of chaos”Joker de Heath Ledger, em The Dark Knight (2008), que contracenou com Christian Bale no papel de Bruce Wayne/Batman.

Ou até um quase oposto, gangster moderno e, como descrito pelo ator, “beautiful disaster of a character“, Joker de Jared Leto, no mais recente Suicide Squad (2016). Não são ou intencionam ser o mesmo Joker, e a relevância de cada um depende do filme.

Mas desta vez, o filme centra-se totalmente nele.

Joker foi exibido no Festival de Cinema de Veneza no final de agosto, e recebeu uma ovação de 8 minutos seguidos. Joker, onde a estrela é Joaquin Phoenix, é um dos filmes mais aguardados do ano.

O suspense psicológico, escrito por Todd Phillips e Scott Silver, conta a história de Arthur Fleck, um comediante de stand-up que, após o fracasso, ruma à loucura e ao crime em Gotham City. É este homem quem se tornará num dos vilões favoritos dos fãs do universo.

Lê também:

‘Joker’: O que dizem os críticos sobre o filme?

Os anos de espera pela background story da vida do Joker acabam agora: Joker tem estreia marcada, nos cinemas portugueses, a 3 de outubro.