Fotografia/Rafaela Teixeira

Queer Lisboa relembra a evolução do orgulho gay

No segundo dia do Festival Queer, os destaques foram dois documentários portugueses – Lena d’Água e Conan, o Rapaz do futuro –, uma sessão com 5 curtas em competição, o filme francês The Sparks: the Origins of Pride e o drama brasileiro Greta. 

No Domingo (22), no final da tarde, a música do festival já se fez ouvir na esplanada do Cinema São Jorge. Enquanto isso, iniciava a sessão das 17h15, na Sala Manoel de Oliveira.

Fotografia: Rafaela Teixeira.

The Spark: the Origins of Pride – 7/10

Secção Panorama

© Capa

The Spark: The Origins of Pride, de Benoît Masocco, trata-se de uma produção francesa, mas vai muito para além de Paris, mencionando Nova Iorque e São Francisco. A proposta é a de recontar a história de 50 anos de ativismo e mostrar a sua evolução.

Seguimos a história da luta LGBTI+ desde a década de 1960 até ao presente, após os motins de Stonewall. Outros marcos são relembrados por historiadores, jornalistas e conhecedores dos acontecimentos – porque os viveram.

As palavras ganham vida na nossa mente, levando-nos a ver, de São Francisco a Paris, passando por Amesterdão, o primeiro Orgulho Gay, a eleição de Harvey Milk, a “descriminalização” francesa, a epidemia da sida, o fenómeno da moda com o eclodir do marketing gay, as drag queens dos anos 90 e os primeiros casamentos entre pessoas do mesmo sexo.

O maior problema na construção desta obra está no facto de se focar em demasia no percurso e luta dos homens gay – até mesmo as testemunhas são maioritariamente homens – o que não nos deixa ter uma visão mais abrangente do que foi vivido pela comunidade nestes tempos. Sim, existem pequenas referências às lésbicas e às pessoas trans, mas são muito raras.

Ainda assim, a importância desta obra é evidente para todos, pois só tendo acesso ao passado, é possível refletir o presente e o futuro. Afinal, em setenta países a homossexualidade ainda é crime e em onze é motivo para pena de morte.

A obra não está em competição no âmbito do festival. O Queer Lisboa vai decorrer até ao dia 28 de Setembro.

Mais Artigos
Histórias das Mulheres do Meu País RTP1
‘Mulheres do Meu País’. Minissérie de Raquel Freire estreia na RTP1 em Dia da Mulher