O DoclisboaFestival Internacional de Cinema Documental de Lisboa – anunciou hoje uma “programação urgente” que tem como principal objetivo o debate e reflexão acerca da atual situação política brasileira.

Esta ação de solidariedade para com os congéneres brasileiros vem na sequência das sucessivas suspensões de apoios atribuídos aos realizados com filmes programados em festivais internacionais, dos cortes à Ancine, depois do anúncio de um ciclo de cinema militar na Cinemateca e daquilo que, segundo a organização do festival português, têm vindo a ser o “desmantelamento da democracia no Brasil”.

LÊ TAMBÉM: YOUTUBE REVELA NOVAS ATUALIZAÇÕES NA VERIFICAÇÃO DE CANAIS

Em comunicado, pode ainda ler-se que estes atos fazem parte de um “programa de eliminação da diversidade e liberdade, visando uma arte que é, pela sua natureza, popular e democrática: o cinema”. Assim o Doclisboa procurará lutar contra uma ditadura “em vias de se instalar”.

DESTAQUES BRASILEIROS NA PROGRAMAÇÃO

“O Último Sonho”, de Alberto Álvares (Fonte: Doclisboa)

Como destaques na programação, o festival especializado em cinema documental exibe o já anunciado Chão, de Camila Freitas, estreado na Berlinale. Ainda a estreia internacional de O Último Sonho, de Alberto Álvares e que evoca a memória do líder Guarni Wera Mirim. Em parceria com a Nitrato Filmes, um ciclo dedicado a Eduardo Coutinho. Neste poderão ser vistos Cabra Marcado Para Morrer, enfocado nas lutas campesinas, no golpe de 1964 e consequente ditatura; Últimas Conversas, um filme terminado após a morte do cineasta pela sua montadora Jordana BergBanquete Coutinho, de Josafá Veloso e que parte de uma entrevista feita ao realizador em 2012, a partir dos arquivos da sua obra.

“Banquete Coutinho”, de Josafá Veloso (Fonte: Doclisboa)

Por fim e de Miguel Faria Jr., o filme Chico: Artista Brasileiro, dedicado à vida e obra do músico e escritor, havendo sido retirado de uma mostra no Uruguai a pedido da representantes do Governo Brasileiro naquele país.

Com esta “programação urgente”, o Doclisboa procura reforçar a força do cinema brasileiro, assim como transmitir ao Governo de Jair Bolsonaro que o dia de amanhã será “construído pelos que respeitam os valores democráticos e a liberdade”. O 17º Doclisboa decorrerá entre os dias 17 e 27 de outubro, em Lisboa.