O dia (15) mais aguardado da Comic Con Portugal 2019 gerou o caos no Passeio Marítimo de Algés. A presença de Millie Bobby Brown, famosa por interpretar Eleven em Stranger Things, provocou muita confusão no recinto.

A fila começou desde as quatro da manhã para comprar uma das 300 senhas para tirar fotografia ou receber um autógrafo da jovem atriz. Chegada a hora de abertura, às dez horas, os presentes correram todos em direção à loja de senhas, sem qualquer controlo da organização.

A tenda Golden Theater tem o palco onde Millie Bobby Brown subiu hoje, ao início da tarde, para um painel moderado por Nuno Markl. Segundo vários relatos, pessoas ficaram dentro do espaço desde o início do dia, não saindo quando terminava cada painel. Quem ficou lá fora não conseguiu ver e ouvir a transmissão do painel num dos ecrãs à porta da tenda.

Lê também: ALEXANDER LUDWIG REVELA QUE ‘VIKINGS’ TEVE “MAIS FIGURANTES QUE BRAVEHEART”

Muitos pedidos de reembolso foram ouvidos no meio da multidão que ficou à porta da tenda. Outras pessoas tomaram atitudes mais extremas e bateram na parte de fora do Golden Theater ou tentaram forçar a entrada. No meio da confusão, a polícia e ambulâncias tiveram de ser chamadas ao local para lidar com agressões e pessoas a ter indisposições.

Nas redes sociais as críticas à Comic Con estão a fazer-se ouvir. “Extremamente mal-organizado”“Os 30 euros mais mal gastos” são algumas das afirmações que podem ser lidas no Twitter. Outros optam por publicar imagens e vídeos a revelar a enchente de pessoas que esperavam ver Millie Bobby Brown.

A Comic Con Portugal lançou um comunicado, entretanto apagado do seu site, onde reagiu à polémica. A organização caracterizou os acontecimentos como “um momento menos positivo”  do evento e reconheceu a lotação esgotada que impediu muitos de entrarem.

No que toca ao ecrã exterior, este encontrou-se sem som devido à “não permissão, da parte da atriz, da cobertura para o exterior do painel pela imprensa”. Comic Con Portugal diz compreender a “frustração do público”, mas reforçou que o auditório tinha um limite de lugares “tal como acontece em todos os eventos Comic Con”.

Sobre os aspetos mais caóticos dos acontecimentos, a organização não se pronunciou. Por agora, também não há razão para este comunicado da Comic Con Portugal ter sido apagado.