Itziar Ituño e Esther Acebo, mais conhecidas como a inspetora que virou fugitiva Raquel “Lisboa” Murillo e Mónica “Estocolmo” Gatzambide em La Casa de Papel, são as grandes presenças nos primeiros dois dias da Comic Con Portugal 2019.

As duas atrizes espanholas dedicaram o seu tempo no Passeio Marítimo de Algés a dar aos fãs um relato em primeira mão sobre como as suas personagens e o sucesso avassalador da série mudaram as suas vidas, assim como a importância de uma série castelhana ter tido tanta atenção internacional.

“Ir viajando com esta personagem sem nos perdermos.”

Estocolmo (Esther Acebo) em La Casa de Papel: Parte 3

Imagem: Netflix

Quando questionada sobre o seu percurso na série, Esther destacou a trajetória sem precedentes que seguiu no papel de Mónica, desde refém até assumir a identidade de Estocolmo, derivada do síndrome que a personagem reteve da sua relação intensa com Denver (Jaime Lorente), que dá origem ao seu eventual pseudónimo.

Itziar, cuja personagem também passou para o outro lado da lei sob o nome Lisboa, partilhou esta experiência. A atriz citou a experiência de Murillo como seu marido como algo particularmente difícil de encarnar.

De Espanha para o mundo: “Deram conta de que existimos

Fotografia: Diogo Marques (Espalha-Factos)

Tanto Itziar como Esther identificaram o propósito de La Casa de Papel em trazer séries de língua não-inglesa ao público mainstream, especialmente depois do renascimento da série na Netflix o ter proporcionado além de todas as expectativas.

“Está a dar-se uma mudança. Está a abrir-se uma porta para não só o castelhano, mas também o alemão.”

[o público] está a descobrir que se contam historias muito interessantes em outros idiomas.”

O Professor e Raquel Murillo em La Casa de Papel: Parte 3

Imagem: Netflix

Quando questionadas sobre a recente terceira parte (agora produzida pela Netflix, depois de adquirir os direitos das primeiras duas partes do canal espanhol Antena 3), as atrizes refletiram sobre como a produção aumentou em termos de escala e ambição, mas referem que houve um esforço para manter a identidade da série e o seu foco nas relações entre personagens.

“É como jogar futebol no bairro e jogar na primeira divisão. Os meios mudam, mas a essência é a mesma.”

Lê Também: Trailer falso de “O filme de Bruno Aleixo” é exibido na Comic Con Portugal