O Infarmed pediu a intervenção da Polícia Judiciária (PJ) para investigar situações de desvio de medicamentos com testosterona, divulgou esta sexta-feira (30) em comunicado.

A Autoridade Nacional do Medicamento toma a iniciativa numa altura em que o ator e modelo Ângelo Rodrigues, de 31 anos, está internado com uma infeção generalizada, devido a uma alegada injeção com produtos contendo testosterona, cujo objetivo seria a melhoria do aspeto físico. A suspeita do Infarmed é que os medicamentos, utilizados no circuito legal, possam estar a ser encaminhados para utilização não prescrita em circuitos paralelos.

Lê também: Ângelo Rodrigues sai do coma e apresenta “francas melhoras”

Na nota divulgada, o instituto público salientam que o medicamentos com testosterona, pela sua natureza e finalidade, apenas deverá ser utilizado nas condições em que está aprovado e nas condições estabelecidas na sua autorização. Estes medicamentos apenas são passíveis de uso mediante receita médica, sublinham ainda.

Em Portugal estão autorizados três medicamentos que contêm testosterona, com indicações terapêuticas bem estabelecidas e cuja utilização carece de prescrição para a sua dispensa e sendo a sua administração efetuada por profissionais de saúde, é explicado no comunicado.

O possível desvio de medicamentos motivou que o Infarmed tenha desencadeado ações de averiguação dessas situações e solicitou a intervenção da Polícia Judiciária, da Inspeção-Geral das Atividades em Saúde (IGAS) e da Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) para o efeito.

Até agora, em 2019, não foi recebida pelo Infarmed qualquer comunicação sobre o uso ilícito destes medicamentos no circuito legal, aproveitando, no entanto, para alertar que “a utilização racional de medicamentos é, também, uma responsabilidade de todos, devendo ser usados somente para as situações para que estão indicados de forma a garantir o maior benefício possível“.