Bons Sons ’19: o país à beira-mar plantado segundo Stereossauro

Stereossauro tornou o Palco Lopes-Graça demasiado pequeno assim que entrou para apresentar Bairro da Ponte. O novo disco deu corda a este concerto e com ele aprendemos a ver a cultura portuguesa com outro brilho nos olhos. O fado já não está como o conhecemos e a eletrónica ou hip-hop entram para nos trocar as voltas. 

Acompanhado de DJ Ride, uma guitarra portuguesa e uma bateria, Stereossauro faz-nos repensar o que pensamos quando o género tradicional português nos vem à memória. A homenagem dá-se em Cem Soldos, uma aldeia pacata e envelhecida, onde o passado se cruza com o futuro sempre que lá se dá o festival. Curiosamente, o mesmo se passa em Bairro da Ponte onde o fado tem um ar renovado (não apropriado para puristas).

Um disco cheio de colaborações, mas sem a presença dos artistas neste concerto. Estiveram lá imortalizados nas canções, nos vídeos e no público que se sentiu inacreditavelmente português. E neste país à beira mar plantado sentimos tudo, desde as emoções desportivas em Nunca Pares (em jeito de celebração do Euro 2016) ao já célebre e opulento remix de Verdes Anos (que surgiu com a Eurovisão em Lisboa).

A chuva ameaçou e lá caiu, mas isso não demoveu o público à frente do Palco Lopes-Graça. A consagração de tudo o que é inevitavelmente português só fez sentido em coletivo, onde o estandarte de Portugal parece ser carregado por Bairro da Ponte. É “tuga” e nós gostamos tanto. Assim, Stereossauro ganhou o coração da aldeia e nela estendeu o legado deste país à beira mar plantado.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Immigration Nation
‘Immigration Nation’ mostra duro mundo das políticas de imigração nos EUA