O regresso de Portugal à competição principal do Festival de Cinema de Veneza dá-se após 14 anos de ausência e deve-se a Tiago Guedes.

O português, de 48 anos, apresenta A Herdade que conta a saga de uma família que detém um grande latifúndio na margem sul do rio Tejo. A produção retrata a situação histórica, política, social e financeira portuguesa desde os anos 40 até à atualidade.

O filme tem coprodução da Leopardo Filmes e da Alfama Filmes. O argumento é de Rui Cardoso Martins e Tiago Guedes e o elenco é composto por atores como Albano Jerónimo, Sandra Faleiro, Miguel Borges, João Vicente, Ana Bustorff e Beatriz Brás.

A Herdade: Albano Jerónimo

Albano Jerónimo em ‘A Herdade’ (Fotografia: Leopardo Filmes)

Tiago compete pelo Leão de Ouro na 76.ª edição daquele que é um dos mais importantes festivais de cinema do mundo.

Mas o português não fica por aqui. Depois de Veneza o filme será apresentado no Festival Internacional de Cinema de Toronto, que decorre de 5 a 15 de setembro. Nesse mesmo mês, a 19, a obra chega a Portugal.

Tiago Guedes não está só

Além de Tiago, também Leonor Teles vai estar em competição, porém, na secção Orizzonti. A secção aposta nas novas tendências estéticas e expressivas do cinema internacional.

O filme Cães que ladram aos pássaros integra a sub-secção de curtas-metragens e apresenta a família de Vicente, que se vê obrigada a deixar a sua casa no centro do Porto devido à especulação imobiliária.

"Cães que ladram aos pássaros"

“Cães que ladram aos pássaros” (Fotografia: Uma Pedra no Sapato)

Leonor, de 27 anos, destacou-se no cinema português em 2016, ao vencer o Urso de Ouro no Festival de Berlim.

A 76.ª edição do Festival de Cinema de Veneza decorre de 28 de agosto a 7 de setembro, em Itália. A abertura oficial dá-se com o filme La vérité, do realizador japonês Hirokazu Kore-eda.

O programa deste ano também integra o filme Francisca, de Manoel de Oliveira. O filme será exibido na secção Venice Classic, na qual se apresentam as “melhores versões restauradas de clássicos do cinema, da responsabilidade de arquivos de cinema, instituições culturais e produtoras de todo o mundo”, segundo um comunicado da organização do festival A obra compete pelo prémio de Melhor Filme Restaurado e Melhor Documentário sobre Cinema.