A viagem panorâmica de Maximum Rock ‘n’ Roll – The Singles serve de mote para uma retrospetiva de mais de três décadas da banda britânica. A celebração está marcada para dia 6 de novembro no Hard Club, no Porto.

Depois de terem atuado na edição deste ano do NOS Alive, os Primal Scream viajam até à cidade Invicta para apresentarem o seu mais recente álbum. Maximum Rock’n’Roll – The Singles percorre os mais de 35 anos da banda, explora os seus maiores sucessos e recua mesmo até aos seus primórdios com Velocity Girl.

Ao longo da sua carreira, os Primal Scream abraçaram vários estilos musicais, é explicado em comunicado de imprensa. Do pop psicadélico ao rock degenerado, passando pelo rave eufórico e pelo industrial melancólico, a banda apresenta uma discografia variada. Das raízes de caráter psicadélico ao hedonismo que define Screamadelica até ao protesto de XTRMNTR, a natureza eclética da banda foi acompanhada pela consistência dos seus singles.

Se ao longo da carreira foram capazes de assumir muitos riscos, também são os próprios a admitir que sempre deixaram as coisas acontecer sem se preocuparem muito com isso. Trata-se de uma celebração que vem sido apresentada em concertos que personificam a essência do rock and roll. Os bilhetes estão disponíveis e custam 35 euros. 

Créditos: Divulgação

Originários da cidade escocesa de Glasgow, os Primal Scream nasceram em 1982 pelas mãos de Bobby Gillespie e Jim Beattie. Posteriormente alargaram a sua formação, apresentando-se hoje em palco com Gillespie, Andrew Innes, Martin Duffy, Simone Butler e Darrin Mooney.

Através de uma mistura do rock, dance, dub, techno e acid house, lançam em 1991 o álbum Screamadelica. Este acabaria por se tornar na principal referência dos Primal Scream, permitindo-lhes uma maior exposição mediática e um Mercury Music Prize, em 1992.

O grupo fez recentemente parte da banda sonora da série La Casa de Papel. A terceira temporada da produção espanhola da Netflix conta com o tema Rocks.