Na primeira faixa revelada do quarto álbum dos The 1975, de título tradicionalmente homónimo ao nome da banda, trocou-se a voz de Matty Healy por um discurso de Greta Thunberg, ativista sueca.

Assim, não temos os versos que associamos às canções dos The 1975, em sintonia com a voz de Healy. Notes On A Conditional Form, o próximo álbum dos ingleses, começa com palavras deixadas por Greta Thunberg no World Economic Forum, em janeiro deste ano, numa mensagem que foi gravada na totalidade em Estocolmo, em junho.

Estamos no início de uma crise climática e ecológica e precisamos de chamá-la por aquilo que ela é: uma emergência.” Ouve-se. “Temos de reconhecer que as gerações mais velhas nos falharam. Todos os movimentos políticos, na sua forma atual, falharam. (…) A não ser que reconheçamos as falhas dos nossos sistemas atuais, provavelmente não temos qualquer chance.”

Greta Thunberg é a primeira pessoa, fora da banda, a participar numa música dos The 1975. Os lucros gerados, a pedido da jovem, reverterão para o Extinction Rebellion, um movimento sociopolítico que atua em causas ambientais.

Acrescenta ainda que “agora não é altura de falarmos educadamente ou de nos focarmos naquilo que podemos e não podemos dizer. Agora é a altura de o dizermos claramente. Resolver a crise climática é o maior e mais complexo desafio que os homo sapiens alguma vez encararam. A principal solução é, no entanto, tão simples que até uma criança consegue compreender (…).

Ouve aqui:

Sobre Greta

Greta Thunberg tem apenas 16 anos, síndrome de Asperger e, desde 2018, é reconhecida como ativista pelo ambiente.

Desde o ano passado que a sueca é referenciada como a estudante que inspirou greves climáticas em vários países europeus. Começou com faltar à escola para protestar, junto dos órgãos de soberania do país, para chamar à atenção quanto ao ambiente. Exigem-se medidas políticas que mitiguem os efeitos da crise climática.

Já discursou numa cimeira do clima da ONU, no Parlamento Europeu, e já está nomeada por algumas figuras para o Prémio Nobel da Paz. “A nossa casa está a arder!” foi o seu primeiro grito:

 

Esta semana (23), Greta Thunberg discursou no Parlamento francês, momento controverso pela discórdia de vários deputados dos partidos de direita (que não estiveram presentes).

Muitos políticos, empresários e jornalistas dizem que não concordam com o que dizemos. Dizem que nós, crianças, somos exageradas e alarmistas. Para responder a isto, gostaria de referenciar a página 108, capítulo 2 do último relatório do IPCC [Painel Intergovernamental sobre as Alterações Climáticas].” E repete várias vezes que as referências ao mesmo são factos científicos e não apenas opiniões.

Estes números são o mais real possível. (…) E nem uma vez, uma única vez, ouvi algum político, jornalista ou empresário sequer mencioná-los. É quase como se não existissem! (…) Talvez não sejam maduros o suficiente para o dizer tal como é.

Lamentou que as crianças sejam transformadas em “vilões que têm de dizer estas coisas desconfortáveis às pessoas porque mais ninguém quer ou tem coragem de o fazer“.

Em setembro, Greta Thunberg e outros jovens ativistas pelo ambiente promoverão uma greve climática em todo o mundo. Começa no dia 20 e a intenção é prolongar-se durante a semana seguinte. Esperam-se não só jovens mas também apoio por parte dos adultos.

The 1975, ecologicamente

Jamie Oborne, manager da banda, referiu os esforços para minimizar o impacto ambiental que o grupo e a sua gravadora, Dirty Hit, têm tido.

Um dos problemas apontados é o plástico utilizado nos CDs e o impacto da produção de vinis: o grupo optou por embalagens de papel. Outra opção para a venda de conteúdos relacionados com o grupo é merchandise amigo do ambiente, reutilizando peças que não chegaram a ser vendidas.

Vamos ter tudo resolvido num período de tempo, e 50% é melhor do que nada.” Oborne refere, em relação a tendenciais críticas, pelo grupo tomar uma posição quanto à situação ambiental e não ser, ainda, 100% eficiente. “Se todos empurram a responsabilidade para os outros porque não conseguem resolver [o problema] na totalidade, então já não temos hipótese.

Para já, o foco do grupo está nos eventos onde marcam presença ainda este verão. Passaram por Portugal na última semana (18), no Super Bock Super Rock. No próximo mês, atuam no Reading Festival e no Leeds Festival.

Notes On A Conditional Form é o segundo álbum da série Music For Cars, começada em 2018, com A Brief Inquiry Into Online Relationships. O lançamento é esperado em meados de agosto.

Lê também:

Crítica: A Brief Inquiry Into Online Relationships de The 1975