Ao fim de duas temporadas, a ABC cancelou Designated Survivor. A Netflix surgiu para a salvar e ainda fez uma terceira. Mas agora fica mesmo por aqui e não há novos episódios no ano que vem.

Estamos orgulhosos de ter dado aos fãs uma terceira temporada de Designated Survivor e vamos continuar a disponibilizar as três seasons durante os próximos anos“, anuncia um comunicado da plataforma de streaming, que se mostrou “grata” ao “protagonista e produtor executivo Kiefer Sutherland“.

Na hora da despedida, a empresa sublinha que o ator trouxe “paixão, dedicação e uma performance inesquecível enquanto Presidente Kirkman” e agradece também ao showrunner Neal Bear, ao criador David Guggenheim, aos produtores executivos Mark Gordon, Suzan Bymel, Simon Kinberg, Aditya Sood e Peter Noah e ainda a todo o elenco e equipa “que produziram uma convincente e satisfatória temporada final“.

Percurso atribulado

A série, cujos maus resultados de audiência a retiraram da grelha da ABC em maio de 2018, teve várias mudanças na equipa ao longo das três temporadas, relembra o TVLine. Amy B. Harris, a primeira showrunner da série, foi logo dispensada em maio de 2016, tendo o lugar ocupado por Jon Harmon Feldman. Este último durou apenas sete meses e acabou substituído por Jeff Melvoin. E, depois disso, seria chamado Keith Eisner, de Good Wife, para concluir a segunda temporada. Na terceira, já paga pela Netflix, foi Neal Baer, conhecido pelo trabalho em ER: Serviço de Urgência, a segurar as rédeas da produção.

Designated Survivor termina ao fim de 53 episódios, depois de ter contado a história de Tom Kirkman, um congressista que é colocado no cargo de presidente dos Estados Unidos após um ataque terrorista. A série, com sucesso moderado dentro e fora de portas, gerou também uma versão coreana, já disponível para os clientes portugueses da Netflix.