A brasileira Globo quis entrar no mercado do streaming e não está a ter vida fácil. A Netflix, em reação à nova aposta da gigante tupiniquim, lançou uma ofensiva aos atores da concorrente, que tem aliciado com melhores contratos. A emissora carioca está a ficar sem alternativas para construir os elencos das suas séries no Globoplay.

De acordo com o jornal O Dia, os cortes na Rede Globo têm levado o canal a optar por contratar os atores apenas para projetos avulso, o que libertou estes profissionais de contratos de exclusividade. No entanto, isso fez com que vários dos artistas optassem por vínculos contratuais com a Netflix, o que está a complicar as contas da estação televisiva: quem participa em produções da empresa norte-americana é obrigado a, durante um determinado período, não estar presente em séries ou filmes de outros veículos.

Assim, a Rede Globo tem sido obrigada a repetir elencos das novelas em algumas das suas produções para a plataforma Globoplay – a marca de streaming da estação brasileira – visto que tem um portefólio cada vez mais reduzido de atores exclusivos. Atrizes emblemáticas da estação, como Maitê Proença, Malu Mader ou Carolina Ferraz foram dispensadas e estão apenas a ser chamadas para trabalhos pontuais. Esta foi uma das medidas da estação para reduzir despesas.

A Globo, no ar desde 1965, é a maior estação brasileira e é considerada a segunda maior rede de televisão privada do mundo, apenas atrás da norte-americana ABC, com uma cobertura de mais de 99% da população brasileira. As telenovelas, que a celebrizaram internacionalmente, já foram vendidas para mais de 100 países em todo o mundo.