O Festival Internacional de Cinema de Terror de Lisboa – o MOTELX – apresentou (16), no Cinema São Jorge, alguns dos destaques da programação da 13.ª edição que vai decorrer  de 10 a 15 de setembro.

Uma das grandes novidades anunciadas é de que o realizador norte-americano, Ari Aster, vai marcar presença na edição deste ano, não só para apresentar a estreia de Midsommar (primeira oportunidade para ver o filme em Portugal), como também para realizar uma sessão especial sobre o seu primeiro e tão falado filme Hereditary (2018).

Fotografia: MOTELX/Divulgação

Esta 13.ª edição será especial também por coincidir pela primeira vez com a sexta-feira 13. Como não poderia deixar de ser, o festival optou por revisitar o famoso slasher que no título faz referência a esta data.

O festival vai assinalar os 40 anos de Alien – O oitavo passageiro (1979), de Ridley Scott, com a exibição de uma cópia restaurada em 4K e do documentário Memory: The Origins of Alien, de Alexandre Philippe.

Outro documentário presente na edição deste ano – Horror Noire: A History of Black Horror – traça o percurso da representação do negro no cinema de terror, do mudo ao contemporâneo.

O público do festival poderá ver ainda, em primeira mão, The Golden Glove, do realizador alemão Fatih Akin, exibido no festival de Berlim; Faz-me Companhia, do realizador português Gonçalo Almeida, vencedor do Prémio MOTELX para Melhor Curta de Terror Portuguesa em 2017 com Thursday Night.

Será também exibida a longa-metragem, A Sombra do Pai, da brasileira Gabriela Amaral Almeida.

Ainda no que toca ao conteúdo cinematográfico português, serão exibidos dois slashers portugueses – O Construtor de Anjos (1978), obra rara de Luís Noronha da Costa e Rasganço (2001), de Raquel Freire.

As curtas-metragens portuguesas continuam a ocupar um lugar de destaque na programação. Este ano são dez os filmes a disputar o Prémio MOTELX – Melhor Curta de Terror Portuguesa, o maior prémio atribuído a curtas-metragens em Portugal, no valor de 5000 €. O vencedor fica também nomeado para o prémio europeu Méliès d’Or.

A sessão de ‘curtas portuguesas’, promovida pela Agência da Curta-Metragem, será programada e apresentada pelo realizador João Pedro Rodrigues.

Cinema de terror como espelho das angústias humanas

Este ano o MOTEL X propõe-se a refletir sobre as inquietações ambientais que estão a afetar negativamente o planeta e a nossa incapacidade para resolver o problema.

O tema das mudanças ambientais está presente nos primeiros títulos anunciados, como é o caso de Midsommar, o filme de terror mais aguardado do ano, realizado por Ari Aster que tem recebido ótimas críticas nos EUA, sendo já descrito como um novo clássico do terror.

Relacionado também com o tema dos problemas ambientais, o festival exibirá o filme norueguês The Quake, de John Andreas Andersen.

Fotografia: Rafaela Teixeira

Para o público infanto-juvenil está prevista a secção “Lobo Mau”, onde poderão ver os filmes de animação O Pequeno Vampiro ou Um Susto de Família e várias curtas-metragens. Vão poder participar também em workshops de criação de pequenos monstros, bonecos de luz e guloseimas temáticas.

Vão existir também eventos paralelos, como o lançamento do livro de banda desenhada Profondo Nero, da série Dylan Dog, com argumento de Dario Argento, e As Histórias do Rei Amarelo, de Robert W. Chambers. 

O público terá também a oportunidade de aprender a fazer adereços comestíveis num workshop orientado pela rub-a-duckie.

Fotografia: Rafaela Teixeira

Para os fãs de efeitos especiais há uma masterclass pelo estúdio Nu Boyana Portugal, que participou na pós-produção do blockbuster Hellboy (2019).

Os eventos de Warm-Up do MOTELX estão marcados para 5, 6 e 7 de setembro e serão anunciados no próximo mês, tal como a programação completa.