Fonte: Visit Lisboa

‘Queer Lisboa’: As últimas novidades do festival de cinema LGBTI+

A 23.ª edição do Queer Lisboa – Festival Internacional de Cinema Queer aproxima-se a passos largos, prometendo conquistar a capital de 20 a 28 de setembro. A premissa do evento permanece, mais uma vez, igual: glorificar um lado mais inclusivo da indústria cinematográfica, em que a comunidade LGBTI+ é protagonista. Este ano, o festival foi alvo de algumas inovações, incluindo novas rubricas e debates alusivos à história do cinema queer e independente.

O filme de abertura da edição lisboeta é particularmente cru e inspirador ao contar a história de Indianara Siqueira, ativista transgénero de origens brasileiras. Indianara (2019), documentário realizado por Aude Chevalier-Beaumel e Marcelo Barbosa, reflete um importante mote político ao alertar para os perigos do retrocesso ideológico no Brasil e como tal prejudica a luta pela igualdade.

Para complementar a temática, os novos populismos serão alvo de debate, em parceria com a marcha do orgulho LGBTI+ de Lisboa. A marcha estará, também, encarregada de uma exposição ilustrativa da sua evolução, ao longo de duas décadas, na vanguarda dos direitos queer em Portugal.

Ativista brasileira e transgénero Indianara Siqueira. Fonte: Futura

As principais novidades relativas a secções residem no ciclo retrospetivo no âmbito do Panorama do Festival Internacional de Cinema de Berlim, que celebra 40 de existência. Intitulado Berlinale Panorama 40, o segmento presta homenagem aos filmes mais irreverentes que passaram pela consagrada matiné alemã, sempre com tópicos feministas, políticos e queer.

Por outro lado, foi instaurada a vertente Queer Focus que retrata a “ecosexualidade como nova identidade sexual e a Natureza como amante em vez de mãe”. O intuito da revolucionária abordagem centra-se nas várias perspetivas da fusão entre o ambientalismo e sexualidade. As sessões serão encabeçadas por dois documentários: Water Makes Us Wet: an Ecosexual Adventure (2018), por Beth Stephens e Annie Sprinkle, e Ecosex, a User’s Manual (2018), da autoria de Isabelle Carlier.

No entanto, a maior a alegria para o queer festival foi, de facto, as parcerias, mais satisfatórias do que em qualquer edição anterior. Rosa Monteiro, secretária de estado para a cidadania e igualdade, destaca-se ao marcar presença numa discussão sobre o conceito de intersexualidade, algo quase inaudito no grande ecrã. A ação pretende desmistificar muitas conceções sociais e clínicas, contrariando o estigma comum inerente ao tema.

Annie Sprinkle e Beth Stephens em ‘Water Makes Us Wet’. Fonte: Filmmaker Magazine

Por fim, não poderia faltar uma homenagem ao cinema LGBTI+ a nível nacional, com a antestreia de Golpe de Sol de Vicente Alves do Ó. A longa-metragem narra as peripécias de quatro amigos, numa intensa jornada de autodescoberta e intriga amorosa. O elenco é composto por Ricardo Pereira, Oceana Basílio, Nuno Pardal e Ricardo Barbosa, nomes sonantes da televisão e cinema português.

Os espetáculos a decorrer no Queer Lisboa contam com um orçamento de 140.000 euros e, até ao momento, com cerca de 100 filmes confirmados, após a análise de 1000 submissões. Prevê-se que a programação completa seja revelada a 10 de setembro.

Informações relativas ao Queer Porto, a decorrer de 16 a 20 de outubro, terão lugar mais tarde. O alinhamento de ambas as metrópoles está longe do equivalente, dando, assim, a conhecer dois formatos distintos da representatividade LGBTI+ na sétima arte.

Lê também: A melhor atriz da Europa é portuguesa, é Maria do Céu Guerra

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
‘1899’. Netflix lança teaser da nova série de terror dos criadores de ‘Dark’