Madonna deu a conhecer esta quarta-feira (26) o vídeo oficial de ‘God Control‘. No videoclip, gráfico e impactante, as cores e o gore juntam-se num apelo ao controlo de armas nos Estados Unidos.

A Rainha da Pop é conhecida pelas suas diversas controvérsias. Desta vez, o destaque é a violência armada na sua terra natal e fá-lo num vídeo produzido por Jonas Åkerlund. O teledisco começa com um aviso. “A história que está prestes a ver é bastante perturbadora. Mostra imagens gráficas de violência armada. Mas isto acontece todos os dias. E tem de parar.

Não é a primeira faixa do álbum a merecer um visual sinistro, lugar já conferido a ‘Dark Ballet‘, cujo vídeo saiu há duas semanas. Em ‘God Control‘, o desconforto provém das imagens, do gore e das cores contrastantes, que acompanham o som tipicamente 70’s disco. Nas palavras de Madonna, é uma “wake-up call” (uma chamada de atenção).

A controvérsia

O vídeo está nas plataformas há menos de 24 horas, tem 1 milhão de visualizações e já rendeu críticas distintas.

Alguns referem que são imagens insensíveis, especialmente para com as vítimas do Massacre de Orlando, no clube noturno Pulse (em 2016). E muitos não esquecem que a americana já posou, em diversas ocasiões, com armas, nem sempre com a intenção que reivindica agora.

Para outros, a cantora conseguiu chamar a atenção ao reunir num vídeo um grande problema da América, a violência armada. As imagens chocantes cumprem o seu efeito, e não há referências específicas.

À People, a cantora revelou que a sua intenção é chamar atenção através da sua plataforma, enquanto artista, para um problema na América que está a tirar vidas a pessoas inocentes. “Esta crise pode acabar se os nossos legisladores agirem e alterarem as leis que falham em proteger-nos“, disse.

Acrescentou ainda que o vídeo retrata a realidade. “Isto está realmente a acontecer. Isto é o que parece. Faz-vos sentir mal? Ainda bem, pois talvez assim façam alguma coisa sobre o assunto.

Os massacres nas escolas

Apesar do vídeo se centrar num clube noturno, Madonna não esquece que os massacres atingem vários grupos. Na descrição do vídeo, surge a mensagem: “A violência armada afeta desproporcionalmente crianças, adolescentes e os marginalizados nas nossas comunidades.

Na mesma entrevista, salienta o que sente enquanto mãe. “(…) Sentimo-nos protetoras e responsáveis por todas as crianças no mundo. É-me assustador que os lugares outrora seguros onde nos reunimos, adoramos e aprendemos sejam alvos. Ninguém está a salvo. (…) Sinto a aflição.

Madonna e Donald Trump

Direta ou indiretamente, Madonna ataca Donald Trump com a mensagem sobre o controlo de armamento.

Desde 2016 que tem revelado, em várias entrevistas, que saiu dos Estados Unidos para escapar ao seu atual Presidente.

E por parte de Donald Trump existem também críticas à cantora. Inclusive apelidando-a de “repugnante” numa entrevista à Fox News, depois de a Rainha do Pop discursar na Marcha das Mulheres em Washington (2017).

Em maio deste ano, na Vogue britânica, Madonna acusou Donald Trump de falhar em agir contra a violência armada, para ela o verdadeiro perigo, estando demasiado ocupado com o muro de divisão com o México.

O álbum

Madame X é o décimo-quarto álbum de estúdio de Madonna e foi lançado a 14 de junho de 2019. Conta com influências da sua vida em Lisboa, para onde se mudou há cerca de dois anos. Destacam-se músicas como ‘Dark Ballet‘, a polémica ‘Faz Gostoso‘ (ft. Anitta) e ‘Bitch I’m Loca‘ (ft. Maluma). A estes temas junta-se ‘God Control‘, como a música com o maior teor político no álbum.

Lê também:

Madame X de Madonna: quem é esta agente?