nomi-amanita-sense8

Descobre as melhores personagens LGBTQ+ do mundo da televisão

O mês do pride está quase no fim, mas o Espalha-Factos não podia deixar de enumerar algumas das personagens mais marcantes e essenciais da televisão para a luta e representatividade da comunidade LGBTQ+.

Clarke (Eliza Taylor), The 100

Fotografia: Jack Rowand/The CW — © 2018 The CW Network, LLC. All rights reserved.

Clarke é uma personagem guerreira desde o começo de The 100. Porém, quem acompanha a série sabe que ela se entregou totalmente a uma outra personagem, Lexa (Alycia Debnam-Carey).

Foi na relação amorosa com Lexa que percebemos o outro lado da protagonista. Afinal, é quando está com ela que Clarke se deixa levar, revela o seu “eu” e mostra a sua sensibilidade.

Clarke é uma personagem fundamental para a representação da comunidade LGBTQ+. Percebemos a naturalidade com que ela abraça a sua sexualidade, bem como todos à sua volta.

Vale lembrar que The 100 é uma série futurista. Será que são precisas milhares de gerações para que a comunidade LGBTQ+ tenha direitos iguais? Não sabemos. No entanto, é bom ver e imaginar um futuro de igualdade para todos.

Nomi (Jamie Clayton) e Amanita (Freema Agyeman), Sense 8

nomi-amanita-sense8

Nomi e Amanita interpretam um casal feliz de duas mulheres. Nomi é transsexual e Amanita apresenta-se como lésbica.

Tanto uma como outra são personagens fundamentais para a representatividade da comunidade LGBTQ+ na TV. A relação das duas é genuína e natural.

Sense 8 no seu todo é uma série fundamental, pois todas as personagens têm a mente bastante aberta a novas experiências, sobretudo devido à premissa principal da série. Todos são pessoas sensitivas e, portanto, ligam-se facilmente aos outros seja qual for o seu género ou identidade sexual.

Omar (Omar Ayuso), Elite

(Omar à direita) Fotografia: Manuel Fernandez-Valdes/Netflix

Omar vive uma personagem oprimida pela sua família e cultura, mostrando que a falta de entendimento por parte daqueles que são mais próximos é negativa para o desenvolvimento da pessoa.

Omar vive um rapaz gay que se apaixona por Ander (Arón Piper) e tem não só de o esconder da família, como também viver o dilema – seguir os ensinamentos que lhe deram e orgulhar a família, ou escolher o caminho que mais deseja e desapontar os pais. É esta angústia emocional que vemos a personagem enfrentar.

Esta personagem de Elite tem uma enorme importância, pois representa as consequências e o sofrimento que ainda muitos jovens têm de enfrentar por falta de compreensão dos familiares.

Lê também: Pride Month: Cinco séries que retratam a luta LGBT

Phoebe (Lisa Kudrow), Friends

Phoebe é uma personagem adorada por muitos dos fãs da clássica série Friends, porém só os mais atentos perceberam que a personagem é bissexual. Este facto é dado quase sempre de forma muito subtil, através de diálogos da personagem.

Uma mente aberta a todas as experiências define Phoebe e ela é essencial para mostrar que “sair do armário” não é algo obrigatório, nem necessário para quem está na comunidade LGBT+.

A vida deve ser encarada com leveza e sempre com um sorriso no rosto. Se possível, seguindo o mesmo caminho que Phoebe, tocando as nossas próprias melodias, por mais que os outros não as entendam.

Lito Rodriguez (Miguel Ángel Silvestre), Sense 8

© 2015 Netflix

Lito trata-se de uma personagem construída seguindo o estereótipo do que um homem deve ser, no seu estado máximo de masculinidade. Esta ideia é reforçada pelo facto de este ser um ator estrela admirado pelas mulheres e invejado pelos homens.

A carreira de Lito pode ficar em risco se a sua relação com Hernando (Alfonso Herrera) for descoberta, portanto até uma namorada falsa lhe é atribuído para não deixar que nada destrua a sua “boa fama”.

Lito é um exemplo que mostra até onde a pressão da sociedade pode ir e o quão isso afeta a vida da pessoa. No caso, Lito é obrigado a manter aparências falsas para não ter a sua carreira em risco.

Embora Lito tenha aceite a pressão por parte da sociedade, com receio de que a diferença fosse motivo de repúdio e não de adoração, ele acaba por libertar-se e aceitar quem é e a sua relação. Ensina-nos que o primeiro passo para não sofrer discriminação é não temer que ela exista. Cabeça levantada e agir com naturalidade, pois não há nada de errado em ser diferente. Na essência, somos todos iguais.

Mitchell Pritchett (Jesse Tyler Ferguson), Modern Family

Fotografia: Byron Cohen/ABC – © 2016 American Broadcasting Companies, Inc. All rights reserved.

Mitchell sempre soube a sua natureza verdadeira, mas sabia que não era essa a expectativa do pai (Ed O’Neill). Apesar de alguns traumas de infância, pois o pai queria fazer dele “um homem” que devia seguir as tendências e os gostos categorizados do género, Mitchell conseguiu superar tudo e mostrar ao pai o quão especial é.

Mitchell conquistar a aceitação do pai, encontrar um marido que ama e adotar um filha. Construiu uma família moderna e feliz.

Tanto a construção da personagem, como da própria família é fundamental. Mostra como no seio familiar, apesar das diferenças todos se devem apoiar e amar. Mostra como uma família, no caso, sem mãe, é também uma família funcional e perfeitamente normal.

Lê também: Pride Month 2019: 15 filmes para assinalar a data

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Foals vão ao Super Bock Super Rock
Foals, boy pablo e Local Natives são as primeiras confirmações para Super Bock Super Rock 2021