O Espalha-Factos reuniu alguns espetáculos de teatro e dança que vão ocupar palcos e auditórios por todo o país até ao final do mês de junho.

Faro

A Academia de Dança do Algarve apresenta a 22 de junho a sua gala de final de ano letivo: Dancing in the World of Magic. Bailarinos dos 5 aos 55 anos de idade, de todas as zonas do Algarve reúnem-se, assim, em palco numa fusão de artes circenses e danças urbanas. O espetáculo tem início previsto pelas 16h no Teatro das Figuras.

Évora

Estará em cena a 19 e 20 de junho a peça O Que Vier no Teatro Garcia de Resende, pelas 21h30. Escrito e dirigido por Lúcia Caroço, a peça dá voz às três Heroínas gregas Antígona, Electra e Medeia, que no final das suas Tragédias se encontram num limbo entre passado e futuro, conduzidas pelos homens presentes nas suas narrativas, foco do espetáculo através da música.

Pinhal Novo

André Louro sobe ao palco do Auditório Municipal de Pinhal Novo no próximo dia 22 de junho pelas 21h30, para dar vida à peça O Libertino. Encenada por António Olaio e adaptada para monólogo a partir do texto original de Luiz Pacheco, dá-nos conta da realidade portuguesa dos anos 60. Pacheco, que viajou pelo país nas carrinhas da biblioteca da Fundação Gulbenkian, explorou através do riso, da sátira e da ironia esse Portugal opressivo, violento, silencioso e salazarista.

“O Libertino” / Foto: José Frade

Lisboa

Está em cena até 23 de junho no Teatro Nacional D. Maria II a História Ilustrada do Teatro Português, dirigida por Martim Pedroso e com texto de João Telmo. Se por um lado ela se apoia em alguns dramaturgos e encenadores que traçaram a evolução do teatro em Portugal, não se amarra a factos históricos e não pretende ser didática, cruzando várias estórias pessoais, narrativas e mitos. Para ver na Sala Estúdio quartas e sábados pelas 19h30, quintas e sextas pelas 21h30 e domingos pelas 16h30.

Já o Teatro Aberto estreou a 14 de junho a peça Golpada, com texto de Dea Loher, e que está em cena de quarta a sábado pelas 21h30 e domingo pelas 16h, na Sala Vermelha. Encenada por João Lourenço, a Golpada acompanha o sonho de Maria e Jesus Maria, dois jovens irmãos de classe baixa que engendram um plano para enriquecer. Entre eles, um vidente, um realizador e um senhor Milagre, desenrola-se uma história quase policial e fantástica, mas que é também uma homenagem à luta pela liberdade e pela alegria.

Golpada - Junho - Teatro Aberto

Ana Guiomar, Tomás Alves e Carlos Malvarez em “Golpada” Foto: Divulgação /Teatro Aberto

Santarém

Perguntar o que significa criar não é o mesmo que perguntar o que criar significa“. É a partir desta afirmação que Carlos Manuel Oliveira, coreógrafo e performer, cria uma reflexão coreográfica em torno da relação entre coreografia e dança. O espetáculo será rceebido pela Sala de Leitura Bernardo Santareno nos próximos dias 22 e 23 de junho, pelas 17h.

Viseu

O Auditório Mirita Casimiro apresenta no próximo dia 29 de junho, pelas 21h30, a peça Floresta de Enganos, encenada por Linda Rodrigues. Foi o último auto escrito por Gil Vicente para o rei Dom João, abordando e criticando os jogos de ocultação e revelação que se desenrolam nas tentativas de engano e ludibriação entre personagens ao longo de três atos.

Porto

O Teatro Nacional São João recebe até 22 de junho, Sopro, quartas e sábados às 19h, quintas e sextas pelas 21h e domingos pelas 16h. Escrito e encenado por Tiago Rodrigues, homenageia o teatro e uma profissão hoje sustentada em Portugal por uma única mulher, Cristina Vidal, que cumpre a função de ponto há mais de vinte e cinco anos no Teatro Nacional D. Maria II.

junho Sopro

“Sopro”/ Foto: Christophe Raynaud de Lage

Também o Teatro Carlos Alberto, numa co-produção com o TNSJ, estreia O Poeta Acorrentado à Mesa, a 27 de junho. Escrito e interpetado por João Samões, inspira-se e desenrola-se em torna da obra experimental e da acidentada vida do escritor Louis-Ferdinand Céline. Estará em cena até 30 de junho, quinta e sexta feiras pelas 21h, sábado às 19h e domingo às 16h.