sushi
Fotografia: Pixabay

7 regras obrigatórias para comer sushi

O Dia Internacional do Sushi comemora-se esta terça-feira, dia 18 de junho. O Espalha-Factos dá-te sete dicas de regras para comer sushi da forma mais adequada.

Como usar os pauzinhos

O sushi deve ser comido com pauzinhos e, para aqueles que não se ajeitam, é possível colocar um elástico que facilita a tarefa. Para os pousar, devem ser colocados lado a lado e não cruzados, de preferência no hashioki, a peça indicada para o efeito. 

Nunca se deve comer sushi com talheres, mas é permitido comer com as mãos. A oshibori, toalha por vezes colocada na mesa, serve precisamente para limpar as mãos quando necessário.

Ordem dos sabores

O ideal é começar pelos sabores mais simples, como robalo, pargo ou pregado. O salmão, o atum e o carapau, por exemplo, devem ficar mais para o final.

Não colocar gengibre nas peças

O gengibre serve para limpar o palato. Por isso, deve ser ingerido em pequenas quantidades, não juntamente com as peças mas sim entre elas, normalmente três a quatro.

Não misturar wasabi com soja 

Para tornar a soja mais picante, há quem a misture com o wasabi. Tal não se deve fazer, pois altera ambos os sabores e as peças já vêm temperadas. Deve-se colocar um pouco de wasabi na peça, preferencialmente na ponta oposta à que vai tocar na soja. 

sushi
Fotografia: Pixabay
LÊ TAMBÉM: DOCA LOUNGE: O NOVO ESPAÇO DE SUNSET VIRADO PARA O TEJO

Não “mergulhar” as peças na soja

As peças não devem ser “mergulhadas” na soja, basta um leve toque. Também não deve ser o arroz a tocar na soja, mas sim o peixe.

Não trincar as peças 

As peças devem ser comidas de uma só vez. Ao trincar, as peças desmontam-se e os sabores separam-se. Apenas não é possível ingerir os temakis de uma só vez, pelo seu tamanho.

Não demorar a comer

Para garantir a frescura de todos os ingredientes, as peças devem ser comidas rapidamente, não com pressa mas sem grandes pausas. Após algum tempo, o peixe começa a oxidar, por isso é que também não é recomendado pedir muitas peças de uma só vez.

Mais Artigos
Amália
Amália. 100 anos da eterna voz do fado