Will.i.am, cantor e jurado na edição britânica do The Voice, defende que o representante do Reino Unido na Eurovisão passe a ser escolhido através do talent-show, que é transmitido pelo canal privado ITV.

Numa entrevista ao jornal The Sun, o artista teorizou “Porque é que o vencedor do The Voice não vai automaticamente à Eurovisão? Entendes o que estou a dizer? Ia funcionar“. A recomendação de Will.i.am pode ser bem intencionada, mas é, à partida, de utilidade reduzida: A organização da participação na Eurovisão é assegurada pelos canais aderentes à União Europeia de Radiodifusão, que são os canais públicos de cada Estado participante. Neste caso, é a BBC, concorrente da ITV, a responsável.

Este ano, a representação dos britânicos foi assegurada pelo novato Michael Rice, um ex-participante do Factor X e vencedor do concurso All Together Now em 2018. Bigger Than Us ficou com apenas 11 pontos e foi a canção menos pontuada da final da Eurovisão 2019.

O Reino Unido não vence a Eurovisão desde 1997, quando Katrina and The Waves levaram o Festival até Birmingham com Love Shine a Light. Nos últimos dezassete anos, os britânicos ocuparam o último lugar em quatro ocasiões.

Em reação ao mau resultado, Michael Rice afirmou que a rejeição se deveu ao atual clima político em torno do Brexit e que “nem o Gary Barlow ou o Elton John teriam conseguido fazer melhor“.