Conan Osiris é o vencedor do Barbara Dex Award, atribuído anualmente aos participantes do Festival Eurovisão da Canção que se destacam – negativamente – pela roupa que utilizam.

Portugal tinha já triunfado neste galardão em 2006, quando a girlsband Nonstop representou o país em Atenas. Conan Osiris atuou na primeira semifinal, da qual não passou, com um fato totalmente em verde esmeralda e uma máscara em preto. A escolha de indumentária, que gerou polémica em Portugal, foi também mal compreendida pelo público eurovisivo, mostram os resultados divulgados este domingo (26), uma semana depois da final do Eurofestival.

De acordo com a organização do prémio, que é promovido em homenagem a Barbara Dex, uma concorrente que em 1993 se apresentou com um vestido feito por si própria, a votação teve um recorde de participações: quatro mil. Em segundo lugar ficou Tamta, do Chipre, e em terceiro surgiu a bielorrussa ZENA.

Esta distinção é atribuída desde 1997 e este ano foi dinamizada pelo site Songfestival.be. Além da vitória em 2006 e 2019, Portugal ficou em segundo lugar do Barbara Dex na edição de 2005. O nosso país é, em conjunto com a Sérvia e a Macedónia do Norte, a nação com mais triunfos entre os piores vestidos da Eurovisão.

A delegação portuguesa, que ficou em 15.º na semifinal da Eurovisão 2019, em Telavive, Israel, não confirmou ainda a participação na edição 2020, que acontecerá nos Países Baixos, vencedores da edição deste ano. Conan Osiris foi vencedor do Festival da Canção, final nacional lusa, com uma pontuação recorde do televoto e do júri.