Thom Yorke, vocalista dos Radiohead, revelou, numa entrevista à Crack, novos dados sobre o seu futuro como artista. Mas também há novas informações sobre a banda.

Segundo o britânico, há novo álbum em breve: um registo “distópico”, bastante influenciado pelos seus receios, relativamente aos eventos da atualidade.

Vinculado a uma nova maneira de compor, a partir do improviso, Thom considera que este ambiente distópico utilizado no novo disco é “uma maneira realmente boa de exprimir a ansiedade criativamente.” O álbum está finalizado e prometido ainda para o ano de 2019.

No entanto, também houve espaço para falar sobre os Radiohead. Não lançando um álbum desde 2016, e assumindo que só voltarão “quando sentirmos que é correto voltar”, Thom afirma que, mesmo assim, existe a probabilidade de fazer algo com material impresso da era de Kid A.

Lê também: Suspiria: a experiência sonora imersiva de Thom Yorke

Thom comenta o processo de escrever a sua primeira banda sonora; fala também das suas primeiras peças clássicas. Tudo começou como uma “piada”, com um convite dos dois pianistas Katia and Marielle Labèque; pediram-lhe que criasse música para ser tocada pelos artistas. “Não sei ler pautas e senti-me estranhíssimo, ao compor tudo isto no meu laptop e ter entregue a estes dois incríveis músicos“, diz.

É importante relembrar que Yorke tem a sua primeira data marcada a solo em Portugal para o festival NOS Alive. O seu concerto será no dia 13 de julho e os bilhetes ainda estão à venda.