Um estudo realizado em conjunto por diversas universidades e hospitais dos Estados Unidos e o Instituto Nacional de Saúde Mental (INSM) concluiu que a série 13 Reasons Why está relacionada com um crescimento no número de suicídios no país.

Valores foram superiores aos registados em cinco anos

A investigação aponta um crescimento de 28,9% nos índices de suicídio entre crianças e adolescentes em abril de 2017, o mês seguinte à estreia da produção da Netflix. O estudo, publicado no Journal of the American Academy of Child and Adolescent Psychiatry, demonstra que o número de mortes por suicídio em abril de 2017 foi superior ao registado em qualquer outro mês nos últimos cinco anos analisados.

Quando individualizados os índices de acordo com o sexo da vítima, foi notado um aumento significativo entre homens jovens no mês seguinte à estreia. Houve também um aumento entre o sexo feminino, mas considerado estatisticamente insignificante, adianta a BBC.

Os resultados devem servir de alerta para entender que os jovens são especialmente sensíveis ao que é transmitido pelos media“, afirmou a investigadora Lisa Horowitz, autora do estudo e membro do INMS. “Todos os profissionais, inclusivamente da comunicação social, devem preocupar-se em serem construtivos e cuidados ao lidarem com temas relacionados com crises de saúde pública“, acrescentou.

Lê também: 13 Reasons Why. Entre o pensamento e o ato há uma pequena distância

Netflix aponta estudos contraditórios

Numa nota enviada à edição brasileira da BBC, a Netflix já anunciou estar a analisar os resultados do estudo: “É um tema de extrema importância e temos trabalhado muito para assegurar que estamos a lidar de forma responsável com essa questão sensível“, asseguraram.

A plataforma de streaming acrescenta ainda que este novo estudo contradiz um outro, realizado pela Universidade de Pensilvânia, que afirma que estudantes que viram a segunda temporada da série estavam menos propensos a considerar o suicídio.

Investigadores da Áustria, Bélgica e Estados Unidos concluíram que, entre os estudantes que assistiram a toda a segunda temporada, os relatos de que pensavam em magoar-se a si próprios ou matarem-se era menos frequente. Os académicos concluíram que isto acontecia devido à forma aberta como o assunto era tratado na ficção.

No entanto, os estudantes entrevistados que pararam de assistir à temporada a meio demonstravam-se menos otimistas quanto ao futuro e com mais hipótese de cometer suicídio, o que leva os investigadores a concluir que a série pode ter efeitos positivos e negativos sobre os espectadores.

13 Reasons Why

A primeira temporada de 13 Reasons Why arrancou a 31 de março de 2017 e conta a história de Hannah Baker, uma adolescente que se mata e deixa 13 cassetes com os motivos pelos quais o decidiu fazer. A segunda temporada do enredo foi lançada em maio de 2018 e a terceira deverá estrear este ano.

A série foi bem recebida pela crítica devido à forma aberta como abordou temas que afetam os jovens, nomeadamente abusos sexuais, bullying e autoflagelação. No entanto, também gerou debate devido à forma explícita e romantizada como retratou o suicídio, o que poderia ter efeitos perversos sobre o público jovem.