A nova obra de Vicente Alves do ÓQuero-te Tanto! (2019), é mais uma história estranha mas com piada e com aquele bom odor a Portugal. Mas Quero-te Tanto! não é mais uma história estranha mas com piada e com aquele bom odor a Portugal.

Gira a fita e mergulhamos de imediato no filme, como aconteceu ainda este ano em Green Book – Um Guia Para a Vida (2018), sem direito aos créditos de produção iniciais que levam ao habitual extermínio de pipocas. Viggo Mortensen, ator que protagoniza o filme de Peter Farrelly, sugeriu que o realizador removesse essas cerimónias para que o espectador se esquecesse de que estava a ver um filme.

Ora, o resultado é positivo em ambos os casos.

Quero-te Tanto!, coproduzido pela TVI, é-nos apresentado através de uma belíssima cinematografia, de Paulo Castilho, pautada por um enquadramento que se rege pela simetria e bastante bem pensada para o estilo do filme. A partir daqui, entramos na relação melosa de Mia (Benedita Pereira) e Pepê (Pedro Teixeira).

De conversa aqui a conversa acolá, tudo é falado muito à portuguesa – demasiado, até. A falta de presunção da inteligência do espectador leva a que os tais diálogos caiam numa certa infantilidade e redundância que nos constrangem. E o filme arranca mal.

Porém, depois lá se levanta.

Indignados pela pobreza (que não coincide com a relativamente luxuosa casa da peixeira e do mecânico), os dois apaixonados resolvem assaltar um tesouro que se esconde no Monumento ao Marquês de Pombal, em Lisboa. A ideia surge da Madame Ping Pong (Alexandra Lencastre), uma espécie de vidente, a que a parva personagem de Pedro Teixeira recorre. E de apaixonados passam a ladrões.

Pepê segue para um estabelecimento prisional de Lisboa, enquanto Mia é levada para uma prisão em Serpa, no belo Alentejo, terra que enquadra o filme numa bela pintura contemporânea e ainda mais portuguesa do que se pensava.

No meio desta louca aventura vão surgindo momentos de dança, nos quais a imagem vem alcatroada para rimar com os versos das canções de artistas que vão do lendário José Cid à estrela em ascensão Conan Osíris. Na teoria isto deveria decorrer no sentido inverso, e, desta vez, a teoria tinha razão. Assim, outros momentos constrangedores deixam-nos a coçar a cabeça, com os atores a romperem por completo a quarta parede, olhando fixamente para a câmara.

Mas enfim.

E Pepê lá consegue escapar da prisão, com a ajuda de Mudo (um excelente Rui Mendes, que, a par da igualmente brilhante Fernanda Serrano, salvam a representação do filme). A partir daí, a aventura passa a ser a de retirar o seu amor da prisão alentejana.

Como Mia está grávida e encarcerada, e o crime por eles cometido fora escandaloso, a caricata situação do casal torna-se mediática. E é, adivinhe-se, a própria TVI quem vai cobrir o assunto. Mas acaba por o fazer de maneira ainda menos ética do que como o faria na realidade, e isso leva-nos a crer que a produção seguiu o rumo correto para esta tragédia portuguesa virar comédia domingueira sem grandes falhas a apontar.

O filme vai crescendo e crescendo, juntam-se outras personagens engraçadas à sua história, mas, no fim, Quero-te Tanto! não deixa mesmo de nos fazer lembrar Portugal na sua essência. E o seu final não deixa de nos fazer pensar que ele próprio teria de ser feliz.

Título original: Quero-te Tanto!

Realização: Vicente Alves do Ó

Argumento: Vicente Alves do Ó

Elenco: Benedita Pereira, Pedro Teixeira, Fernanda Serrano

Género: Comédia

Duração: 103 minutos

Quero-te Tanto!: Ladrões, assaltantes, gatunos... e apaixonados
6Valor Total
Votação do Leitor 1 Voto
8.0