Antes da chegada do dia da liberdade, a palavra transformou-se em arma. Quando escapavam à censura, e chegavam a ser publicados, os poemas eram vistos como um sinal de esperança de um futuro melhor. Felizmente esse futuro chegou há precisamente 45 anos. E desde então que estes poemas são celebrados, não apenas pelas suas palavras, mas também pelo seu impacto político. Neste 25 de Abril, trazemos-te 5 poemas que celebram a liberdade.

Queixa Das Almas Jovens Censuradas (Natália Correia)

Fonte: jornal Sol.

Natália Correia

Dão-nos um lírio e um canivete

e uma alma para ir à escola

mais um letreiro que promete

raízes, hastes e corola.

 

Dão-nos um mapa imaginário

que tem a forma de uma cidade

mais um relógio e um calendário

onde não vem a nossa idade.

(…)

Penteiam-nos os crânios ermos

com as cabeleiras das avós

para jamais nos parecermos

connosco quando estamos sós.

 

Dão-nos um bolo que é a história

da nossa história sem enredo

e não nos soa na memória

outra palavra que o medo.

(…)

Dão-nos um nome e um jornal,

um avião e um violino.

Mas não nos dão o animal

que espeta os cornos no destino.

 

Dão-nos marujos de papelão

com carimbo no passaporte.

Por isso a nossa dimensão

não é a vida. Nem é a morte.

Natália Correia, Dimensão Encontrada, 1957

 

Trova ao Vento que Passa (Manuel Alegre)

MA

Manuel Alegre

Pergunto ao vento que passa

notícias do meu país

e o vento cala a desgraça

o vento nada me diz.

 

Pergunto aos rios que levam

tanto sonho à flor das águas

e os rios não me sossegam

levam sonhos deixam mágoas.

 

Levam sonhos deixam mágoas

ai rios do meu país

minha pátria à flor das águas

para onde vais? Ninguém diz.

 

Se o verde trevo desfolhas

pede notícias e diz

ao trevo de quatro folhas

que morro por meu país.

 

Pergunto à gente que passa

por que vai de olhos no chão.

Silêncio — é tudo o que tem

quem vive na servidão.

(…)

E a noite cresce por dentro

dos homens do meu país.

Peço notícias ao vento

e o vento nada me diz.

 

Quatro folhas tem o trevo

liberdade quatro sílabas.

Não sabem ler é verdade

aqueles pra quem eu escrevo.

 

Mas há sempre uma candeia

dentro da própria desgraça

há sempre alguém que semeia

canções no vento que passa.

 

Mesmo na noite mais triste

em tempo de servidão

há sempre alguém que resiste

há sempre alguém que diz não.

Manuel Alegre, Praça da Canção, 1965

 

E Depois do Adeus  (José Niza)

José Niza

Quis saber quem sou
O que faço aqui
Quem me abandonou
De quem me esqueci
Perguntei por mim
Quis saber de nós
Mas o mar
Não me traz
Tua voz.
Em silêncio, amor
Em tristeza e fim
Eu te sinto, em flor
Eu te sofro, em mim
Eu te lembro, assim
Partir é morrer
Como amar
É ganhar
E perder.
Tu vieste em flor
Eu te desfolhei
Tu te deste em amor
Eu nada te dei
Em teu corpo, amor
Eu adormeci
Morri nele
E ao morrer
Renasci.
E depois do amor
E depois de nós
O dizer adeus, o ficarmos sós
Teu lugar a mais, tua ausência em mim
Tua paz que perdi
Minha dor que aprendi
de novo vieste em flor
Te desfolhei…
E depois do amor e depois de nós
O adeus
O ficarmos sós…

José Niza, 1974

 

Tourada (Ary dos Santos)

Ary dos Santos

Não importa sol ou sombra
camarotes ou barreiras
toureamos ombro a ombro
as feras.

Ninguém nos leva ao engano
toureamos mano a mano
só nos podem causar dano
espera.

Entram guizos chocas e capotes
e mantilhas pretas
entram espadas chifres e derrotes
e alguns poetas
entram bravos cravos e dichotes
porque tudo o mais
são tretas.

Entram vacas depois dos forcados
que não pegam nada.
Soam brados e olés dos nabos
que não pagam nada
e só ficam os peões de brega
cuja profissão
não pega.

Com bandarilhas de esperança
afugentamos a fera
estamos na praça
da Primavera.

Nós vamos pegar o mundo
pelos cornos da desgraça
e fazermos da tristeza
graça.

Entram velhas doidas e turistas
entram excursões
entram benefícios e cronistas
entram aldrabões
entram marialvas e coristas
entram galifões
de crista.

Entram cavaleiros à garupa
do seu heroísmo
entra aquela música maluca
do passodoblismo
entra a aficionada e a caduca
mais o snobismo
e cismo…

Entram empresários moralistas
entram frustrações
entram antiquários e fadistas
e contradições
e entra muito dólar muita gente
que dá lucro as milhões.
E diz o inteligente
que acabaram as canções.

 José Carlos Ary dos Santos, As Palavras das Cantigas

 

25 de Abril (Sophia de Mello Breyner Andresen)

Sophia de Mello Breyner Andresen fotografada por Eduardo Gageiro

Esta é a madrugada que eu esperava

O dia inicial inteiro e limpo
Onde emergimos da noite e do silêncio
E livres habitamos a substância do tempo

Sophia de Mello Breyner Andresen, O Nome das Coisas, 1974

 

 

Lê também: DIA MUNDIAL DO LIVRO: OS FAVORITOS DOS REDATORES