“Okay, ladies, now let’s get in formation”, porque Beyoncé disponibilizou, finalmente, Lemonade (2016), nos serviços de streaming. Exatamente três anos depois do lançamento do disco, a norte-americana dá permissão a plataformas como o Spotify e a Apple Music para ‘rodarem’ o seu sexto álbum de estúdio.

Até segunda-feira (22), o álbum estava disponível apenas no Tidal – um serviço de streaming que está nas mãos de Jay-Z, o marido da cantora. Agora, uma das mais aclamadas e mediáticas obras da artista pode ser ouvida em todos os serviços online.

Lemonade foi um grande marco na carreira de Queen B, uma vez que trouxe de volta o aspeto visual que já tinha implementado em Beyoncé (2013), ao lançá-lo em conjunto com um filme de 65 minutos, que estreou na HBO.

É um álbum conceptual, que se destacou por ser a primeira vez que a cantora exaltou a figura da mulher negra na sociedade, identificando-se com a luta e afirmando o seu apoio a causas como Black Lives Matter.

Lemonade é uma mistura de géneros e isso reflete-se, também, na variedade de convidados que fazem parte dele. Entre eles, contam-se Kendrick Lamar, Jack White, Ezra Koening, The Weekend, Dixie Chicks, Josh Tillman aka Father John Misty e muitos outros.

Beyoncé na Netflix

Recentemente, Beyoncé assinou um contrato de 60 milhões de dólares (aproximadamente, 53 milhões de euros) com a Netflix. O acordo milionário engloba três produções da cantora que terão estreia na gigante norte-americana. A primeira produção estreou a 17 de abril e é um documentário sobre a atuação de Beyoncé no Coachella 2018.

VÊ TAMBÉM: ‘Homecoming’: quando um festival resulta num filme

Segundo avançado pelo site Vulture, este negócio viu a HBO e a Netflix como concorrentes. A Netflix acabou por sair vitoriosa com uma proposta mais aliciante, “roubando” o casal Knowles-Carter à HBO, que colaborava com Beyoncé e Jay-Z desde 2016.