Qual o conteúdo original da Netflix mais visto? Esta é a pergunta à qual, geralmente, ninguém sabe bem a resposta. A Netflix mantém bem guardadas as suas audiências. Contudo, esta terça-feira (16), o serviço de streaming divulgou alguns dos resultados obtidos no primeiro trimestre de 2019.

O relatório da Netflix refere-se aos primeiros três meses do ano. Para além das “audiências” de algumas das suas produções, este também inclui informação referente ao número de subscritores do serviço.

No que se refere ao número de contas que visualizaram as suas produções originais, a Netflix revelou dados referentes ao mês de estreia de algumas delas. Triple Frontier foi a produção original mais vista. O filme teve 52 milhões de visualizações no primeiro mês em que esteve disponível.

De acordo com o mesmo relatório, Umbrella Academy foi visualizada por 45 milhões de subscritores. A produção de Steve Blackman é a série mais vista do trimestre, destronando as outras séries originais que foram lançadas nesse período.

Five (Aiden Gallagher) em The Umbrella Academy

Imagem: Netflix

Lê também: THE UMBRELLA ACADEMY: SUPER, MAS HUMANOS

De seguida, está The Highwaymen. O filme protagonizado por Kevin Costner e Woody Harrelson foi visto por mais de 40 milhões de pessoas no primeiro mês em que esteve disponível. Já o documentário sobre Billy McFarland e o seu festival de música fracassado teve menos visualizações. No primeiro mês, Fyre: The Greatest Party That Never Happened foi visto por cerca de 20 milhões de contas Netflix.

As subscrições continuam a aumentar?

Nesta área, a Netflix foi mais específica. O serviço tem agora cerca de 148 milhões de subscritores em todo o mundo – o equivalente a mais de catorze vezes o número de habitantes de Portugal.

Contrariamente às 8,9 milhões esperadas, o serviço de streaming teve 9,6 milhões de novas subscrições no primeiro trimestre de 2019.

No relatório apresentado, a empresa mostrou-se satisfeita com o número. Para além disso, referiu não temer a entrada para o mercado de gigantes como a Disney ou a Apple. “Não antecipamos que estas novas entradas afetem materialmente o nosso crescimento porque a transição do entretenimento linear para o on demand é muito massiva, e por causa da natureza diferente que o nosso conteúdo oferece. Acreditamos que todos nós continuaremos a crescer à medida que investimos mais em conteúdo e melhoramos o nosso serviço(…)”.