img_5504-800x533
Catedral de Notre Dame de Paris

Notre Dame: O que podemos fazer agora? E Portugal, está preparado?

A Semana Santa é marcada da pior maneira para o património material, com o incêndio na Catedral de Notre Dame, em Paris. O fogo, que lavra desde o final da tarde desta segunda-feira, deixará o edifício – datado do século XII -, com marcas permanentes e deixará uma marca permanente na História cultural e artística francesa.

Neste incêndio, não se perderam apenas obras de arte, pedaços de História ou, em último caso, o cenário de O Corcunda de Notre-Dame, senão um símbolo da História de Paris e da própria História francesa. Até ao momento podemos contabilizar a destruição do pináculo, momento que impacta todos os que o assistem e cuja autoria é assinada por Viollet-le-Duc, no século XIX.

A par deste pináculo, também não resistiram os vitrais, pelos quais este edifício é notoriamente conhecido. Até ao momento, grande parte do edifício foi consumido pelas chamas, assim como as memórias de mais de 800 anos. De recordar que esta catedral sobreviveu a acontecimentos como a Revolução Francesa ou a Segunda Guerra Mundial.

NOTRE DAME: UMA MARCA DA HUMANIDADE

Para Silvana Sousa, doutoranda em História da Arte pela Universidade de Évora, com o projeto “Da Casa ao Lar: Arquitecturas de habitação na cidade de Évora entre a Baixa Idade Média e o início da Modernidade”, uma catedral e mais ainda se for da dimensão de Notre Dame, não só é um símbolo material, como também um aspecto visível e palpável da memória histórica, cultural, social e como tal, importante de ser preservado.

A historiadora da arte defende que “devemos, enquanto comunidade, providenciar os meios para que o património seja auto-suficiente, quando possível, mas o Estado não pode demitir-se de uma das suas muitas funções, que é preservar, valorizar e promover este património”. Ao Espalha-Factos, acrescenta que a ideia que se deverá contrariar, é a de que o património deve gerar lucro.

Foto: Elsa Espin

O QUE SE PODERÁ PASSAR A PARTIR DE AGORA?

Os danos ainda não foram contabilizados. Segundo avança a imprensa, grande parte do recheio da igreja conseguiu salvar-se. Isto deve-se à retirada deste mesmo espólio durante a campanha de obras de requalificação da catedral parisiense. A UNESCO já demonstrou o seu total apoio no que diz respeito à salvaguarda e restauro do património. Contudo, em que condições e de que maneira se dará uma campanha de restauro num edifício com esta monumentalidade? Qual será o papel do Ministério da Cultura neste caso? A quem serão imputadas as responsabilidades? Todas estas questões estão pendentes e merecem atenção.

LÊ TAMBÉM: INCÊNDIO EM NOTRE DAME: O QUE ACONTECEU E COMO ACONTECEU

Por outro lado, compreender a fragilidade no que toca às intervenções em monumentos ou obras com o peso e a antiguidade, como é o caso da Catedral de Notre Dame. Entender que procedimentos como a utilização da electricidade podem ser causadores de incêndios e que tem que ser respeitada a memória do próprio edifício, de forma a, por um lado, não modificar a sua génese e por outro, a não submeter o mesmo a procedimentos que possam comprometer a sua estrutura.

Foto: Elsa Espin

E SE ESTE INCÊNDIO ACONTECESSE EM PORTUGAL?

Longe desta discussão está a possibilidade deste incidente acontecer numa das distintas igrejas ou catedrais medievais, espalhadas por Portugal. Mas o que aconteceria se, por exemplo, a Sé de Lisboa ou a Sé de Évora ardessem? Estaria Portugal preparado? Haveria um plano de contingência para este tipo de situação?

Sé_Catedral_de_Évora_-_Parte_Norte

A resposta é, ao que tudo indica, não. Não só este tipo de edifícios não estão preparados para as situações de emergência como um incêndio, como geralmente, a sua localização tampouco facilita o trabalho dos bombeiros. Estas costumam ser edificações construídas numa malha urbana muito fechada, quase sempre em centros históricos e com condições de difícil acesso, como ruas apertadas, onde não poderia passar um qualquer carro de bombeiros. Em declaração ao EF, a Direcção Geral do Património Cultural destaca que “na atualidade, todos os Museus, Palácios e Monumentos tutelados pela DGPC estão dotados de meios de combate a incêndio, plano de evacuação e saídas de emergência.”

Apesar destes meios e planos, apenas a cidade de Lisboa tem um sistema de contacto em directo com o Regimento Sapadores de Bombeiros em caso de incêndio, o Sadiconnect. Em todas as demais localidades e segundo o texto enviado “existem ligações telefónicas normais e automáticas aos Serviços de Bombeiros ou a empresas de segurança.” Os espaços tutelados pela DGPC, contam ainda com inspecções periódicas ao abrigo da lei, assim como medidas de autoproteção.

Quando solicitada a clarificar o que eram “ligações telefónicas normais”, no caso dos espaços tutelados pela DGPC fora de Lisboa e se não existiria o perigo de danos por não haver um dispositivo capaz de alertar sem que alguém tivesse que acorrer ao local, a quando de uma situação como um incêndio, o organismo tutelado pelo Ministério da Cultura respondeu:

“Normais” são normais, ou seja, sem ser através do sistema Sadiconnect, que funciona na área de Lisboa, como está escrito.

Fonte: Pixabay

No entanto, lembramos, a dotação anual do Orçamento de Estado para a Cultura ainda não é sequer de 1% e como tal, este tipo de questões são impensáveis para um país como Portugal. Até lá, multiplicam-se as opiniões, os comentários e os “treinadores de bancada”, que sem qualquer experiência na área do património, emitem opiniões tecnocratas sobre o que se perdeu e sobre o que deverá ser feito.

O RESCALDO: COMO DESPERTOU PARIS DEPOIS DO INCÊNDIO?

Paris acordou com dor, uma dor que se alastrou a toda a França e consequentemente a toda a Europa. Quem nos conta é Elsa Espin, doutoranda em História da Arte Medieval pela Université Paris-Sorbonne e Universitat Autònoma de Barcelona. A historiadora da arte lamenta ter visto tudo o que aconteceu e sobretudo o ângulo escolhido pela imprensa francesa dizendo “que é uma dor imensa para os cristãos”.

Para esta medievalista parisiense, este era muito mais que um lugar de culto. Funcionava como o coração de Paris, como o centro da cidade, sendo parte da sua identidade. Recorda que todos haverão entrado pelo uma vez dentro da catedral, subido às suas torres, visto a árvore de Natal na praça ou contemplado o edifício a partir das margens do rio Siena. Explica-nos que é isso que afeta mais os parisienses neste momento, a sensação de partida de uma pessoa com a qual estão habituados a conviver.

Sobre o ponto de vista técnico, conta-nos que tudo indica que tenha sido pelas obras e pelos cortes orçamentais nas mesmas. A queda do pináculo de Viollet-de-Duc – datado do século XIX -, assim como a estrutura de madeira feita com árvores do século XII, são igualmente perdas consideráveis. Contudo, acrescenta que uma catedral é algo vivo e que como tal, já havia sido alterada diferentes vezes na Idade Média, no século XVIII com as obras de Sufflot e que com a Revolução Francesa, também houve bastante degradação.

Remata que tudo isso era parte da beleza de Notre Dame e que com o novo restauro, seguirá sendo um edifício extraordinário que sobreviveu ao seu primeiro incêndio em 850 anos. Desta forma, termina com o ponto de vista de que nunca mais se poderá dizer que a Idade Média era uma época obscura, na qual não se sabia o que se fazia.

(Ultima atualização dia 16 de abril, às 18h02)

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
The Crown
The Crown. Afinal, vem aí uma sexta temporada