Aviso: O seguinte artigo contém spoilers do primeiro episódio da oitava temporada de Game Of Thrones

Quase dois anos depois, Game Of Thrones regressou para a sua derradeira temporada. O primeiro episódio, Winterfell, estreou este domingo, um pouco por todo o mundo.

O Inverno segue firme pelas terras de Westeros e as personagens estão nos preparativos finais para uma guerra pelo futuro da Humanidade. Este cenário proporcionou reencontros há muito aguardados e revelações que vão mudar tudo.

Vamos olhar melhor para o regresso da série mais popular da HBO.

Velhos Conhecidos

O início deste episódio não perdeu tempo em dar aos espetadores algo muito antecipado: a reunião de várias personagens. O primeiro capítulo da aventura medieval começou com uma receção real em Winterfell. Aqui acontece o mesmo, com o exército do Norte a receber Daenerys Targaryen.

Devido a isto, Tyrion Lannister reencontra-se com Sansa Stark, depois de se terem visto pela última vez na quarta temporada. Arya Stark volta a trocar impressões com The HoundGendry Baratheon.

Lê também: ‘GAME OF THRONES’: A BATALHA PELO TRONO FOI ADIADA NA HBO PORTUGAL

Estes momentos não só são constituídos por excelentes linhas de diálogo, como permitem uma reflexão profunda aos eventos da série. Muito se passou entre todas estas personagens e Game Of Thrones reconhece isso de forma brilhante.

No entanto, os dois maiores reencontros estavam guardados para mais tarde. Jon Snow volta a ver Arya, depois do segundo episódio da primeira temporada. Fica um sabor agridoce, pois é evidente o conflito entre proteger o mundo ou proteger a Família que Jon está a experienciar.

O episódio fecha com Jaime Lannister a chegar a Winterfell e a dar de caras com Bran Stark. O “velho amigo” do jovem nortenho tornou-o paraplégico no final do primeiro episódio da série. É uma forma poderosa de terminar e deixa muitas questões no ar.

Game Of Thrones

Imagem: HBO

As Crónicas de Gelo e Fogo

Por muito que Jon Snow diga que ser rei é irrelevante na luta contra os White Walkers, a política de Westeros está sempre a contrariá-lo. Ironicamente, desta vez é o seu próprio passado a deixar tudo num caos.

O romance entre Jon e Daenerys não passa despercebido aos olhos mais atentos de Winterfell. O problema surge nas implicações familiares que aí residem. Jon Snow é o verdadeiro ocupante do Iron Throne. Tem sangue de Targaryen e de Stark. Ele é a fusão de gelo e fogo que dá nome aos livros.

O episódio permite ver uma das cenas mais antecipadas: Jon Snow monta um dragão. O simbolismo é imenso, a sequência está muito bem coordenada e a interação entre os dois amantes é doce. É por isto tudo que acaba por ser, igualmente, um momento trágico.

Lê também: AS 7 MELHORES MÚSICAS DE GAME OF THRONES

O momento alto do início do fim de Game Of Thrones acontece pouco depois. Sam Tarly, que teve uma prestação excelente neste primeiro episódio, conta a Jon o segredo da sua linhagem.

As criptas de Winterfell, onde estão enterrados os Starks, foram o melhor local imaginável para a maior revelação da série. É o encontro de Jon com a verdade que sempre quis saber, porém que agora o deixa numa situação dolorosa.

A cena em si é marcada pela escrita impecável dos criadores e a interpretação de alto nível da dupla de atores. É uma cena que deixa qualquer um a saltar de nervos, não pelo suspense, mas pelas implicações gigantescas. Afinal, como vai Jon agir? Será que Daenerys vai descobrir? O resto dos Starks vão aceitar? Quem será o pretendente com maior apoio?

Game Of Thrones

Imagem: HBO

A Grande Guerra

Os White Walkers marcham firmes para Sul. O episódio mostra alguns preparativos para a luta entre a Humanidade e as criaturas de gelo.

Cersei Lannister Euron Greyjoy voltam a interagir e o espetador agradece. Todas as componentes da dinâmica entre estas personagens são muito bem executadas.

Cersei, provavelmente, terá de lidar com problemas logísticos antes de se colocar no campo de batalha. O seu exército ainda não é tão extenso como deseja e o salvamento de Yara Greyjoy, às mãos do seu irmão Theon, vem complicar o cenário.

Lê também: Game of Thrones: e se a Família Targaryen tiver origem na nossa própria História?

Começa-se a construir alguma da tensão dramática que marcará os episódios finais. Bronn terá de escolher entre a amizade ou a ganância, num mundo onde a primeira raramente é recompensada.

Por muito que se fale em Winterfell e na batalha do terceiro episódio, o Trono ainda reside no Sul e pode ser que Cersei, mais uma vez, se revele como a maior ameaça ao futuro dos protagonistas.

Game Of Thrones

Imagem: HBO

Conclusão

A última série da Idade Dourada da televisão voltou pela última vez. Por agora, não atingiu o pico de genialidade de outros tempos, mas não tinha de o fazer aqui.

O primeiro episódio de Game Of Thrones corresponde às expetativas, algo que por si já é de grande mérito. As interações entre todas as personagens são ótimas e dentro do estilo que a série nos habituou.

As problemáticas da narrativa começam a ser delineadas de uma forma clara, sem nunca se tornarem previsíveis. A grande revelação a Jon Snow sobre a sua identidade fornece (mais) um momento icónico à série.

Tal como as personagens, Game Of Thrones está de volta a casa. E soube tão bem como se esperava.

Game Of Thrones

Imagem: HBO