Na primeira edição da cerimónia dos Prémios da música portuguesa, Dino D’Santiago levou para casa três estatuetas. Aconteceu ontem, no Coliseu dos Recreios em Lisboa, os Play Awards que têm como objetivo distinguir a melhor música feita em Portugal.

No total de 12 categorias, Dino D’Santiago foi distinguido emde Melhor Artista Solo, Melhor Álbum e Crítica, com o álbum Mundu Nôbu. O artista cabo-verdiano apresentou em 2018 um trabalho baseado nas suas raízes africanas, mas inspirado nos ritmos electrónicos contemporâneos, criando uma sinfonia cultural que cruza o funaná, o batuku, a morna, o kizomba e o afro-house.

Uma desilusão e uma homenagem

A cantora Blaya era a mais nomeada da noite, em três categorias, e acabou por não vencer nenhum prémio. Além disso, foi a única dos quatro nomeados para Melhor Canção que não pisou o palco para atuar durante a cerimónia. A atuação da artista foi gravada posterior à emissão em direto.

Na cerimónia, houve também tempo para atribuir o Prémio Carreira, que reconheceu o percurso do fadista Carlos do Carmo.

Aqui está a lista completa dos vencedores:

Melhor Grupo: Dead Combo

Melhor Artista Solo: Dino D’Santiago

Melhor Álbum: Mundu Nôbu de Dino D’Santiago

Melhor Vídeo: Amor em Tempo de Muros de Pedro Abrunhosa (com Lila Downs)

Prémio Lusofonia: Nada Mudou de Matias Damásio

Prémio da Crítica: Mundu Nôbude Dino D’Santiago

Prémio Revelação: Conan Osiris

Melhor Álbum Fado: Maria de Carminho

Melhor Artista Internacional: Kendrick Lamar

Melhor Canção Internacional: All the Stars de Kendrick Lamar (com SZA)

Melhor Canção (votado pelo grande público): Estradas no Céu de Valas (com Raquel Tavares)

Prémio Carreira: Carlos do Carmo