Cada vez mais, marcas nacionais estão a optar por decisões mais sustentáveis e eco-friendly, e desta vez foi a marca de hipermercados Continente que decidiu seguir uma opção mais green.

A cadeia de super e hipermercados pertencente ao grupo Sonae lançou um projeto piloto, que vai durar até ao final de abril, que consiste em oferecer uma alternativa mais sustentável que venha substituir os sacos de plástico utilizados para a fruta e legumes.

@Continente

Em substituição, a marca está a utilizar sacos reutilizáveis feitos a partir de algodão, ou então dá ao cliente a opção de trazer o seu próprio saco. Para complementar, os supermercados têm também disponíveis cartões feitos a partir de papel reciclado onde os clientes onde os clientes podem colar as etiquetas de preço e o código de barras destes produtos.

A mesma medida está também a ser testada na zona de padaria, cujos sacos atuais ainda contém vestígios de plástico. Esta iniciativa surgiu no âmbito do projeto “Compromisso para o uso responsável do Plástico“, divulgado recentemente pela marca.

De acordo com um comunicado oficial do Continente, citado pelo Jornal de Notícias, “caso todos os clientes aderissem a alternativas sustentáveis ao plástico para a compra de frutas e legumes, a poupança potencial seria de mais de 430 toneladas de plástico por ano.”

Lê Também: 5 SUGESTÕES PARA TORNARES O TEU ROUPEIRO MAIS SUSTENTÁVEL

Para além disso, Pedro Lago, Diretor de Projetos de Sustentabilidade e Economia Circular do Continente, acrescenta: “sabemos ser nosso dever a promoção de um uso cada vez mais responsável de plástico“.

Contudo, estas não são as únicas alternativas sustentáveis da marca. Os sacos de plástico adquiridos nas compras online vão passar a custar dez cêntimos, no entanto, caso o cliente deseje tem a possibilidade de guardar e devolver os sacos na encomenda seguinte, sendo que o dinheiro é devolvido no cartão Continente.

O JN avança ainda que a marca pretende que “100% das mais de quatro mil embalagens da marca sejam reutilizáveis, recicláveis ou compostáveis, até ao ano de 2025.”