Já vamos a meio da semana e o Festival de Cinema de Animação de Lisboa, a Monstra, continua a percorrer diversas salas da capital. A Competição de Longas e de Curtas começou na segunda-feira (25).

O Espalha-Factos separou 5 das 28 curta-metragens que já foram exibidas na Monstra, que achamos que podem vir a ser vencedoras nesta categoria.

Outubro 28, de Tiago Albuquerque

Coincidência ou não, o título da curta do português Tiago Albuquerque coincide com o Dia Mundial da Animação. Completamente a preto e branco, o filme narra a vida de um ser virtuoso, primordial, talvez um Adão e a sua Eva. O que o filme poderia perder pela falta de cor, ganha pela técnica – os cenários são a pontilhado, as sombras dão a sensação de profundidade.

Foto 1

28 Outubro | Fonte: ICA

 

Sr. Veado, de Mojtaba Mousavi

A curta do iraniano Mojtaba Mousavi poderia ser sobre o metropolitano de Lisboa em modo apocalíptico. Num lugar desconhecido, onde o metro é decadente, as pessoas têm cara de animais e estão inseridas num micro-ambiente urbano.

Espaços decadentes cheios de pessoas pouco civilizadas trazem para fora a “deshumanização” desenvolvida pela anomia urbana. A animalidade humana é representada exatamente através dos animais nesta curta, que pode ser quase considerada terror.

O filme recebeu uma Menção Especial no festival Animafest Zagreb em 2018. Para realizá-lo, Mousavi visitou, desde 2014, quase todas as estações de metropolitano do mundo, apesar da que aparece no filme não remeter para uma em específico.

O Quinteto do Pôr-do-Sol, de Jie Weng

O Quinteto do Pôr-do-sol é outra curta cujas personagens principais são animais, neste caso, os diversos gatos de Gina. Estes gatinhos, cada um com as suas características, acompanham as evoluções da vida da dona até o seu inevitável fim. Um Leon: O Profissional, um soldado, uma dançarina burlesque, um circense e um piloto de carros. São estes os gatinhos que acompanham a tranquila vida de Gina, que os trata amável e cuidadosamente.

Um filme muito acolhedor, que nos recorda a importância dos animais na nossa vida e a importância dos humanos nas vidas deles.

Image result for the quintet of the sunset

Quintet of the Sunset | Fonte: Independent Short Awards

Viacruxis, de Ignasi López Fàbregas

A curta do realizador espanhol Ignasi López Fàbregas conta a história de Marcel e Andrezj, dois alpinistas que procuram subir a montanha mais alta, uma tarefa nunca antes conseguida. Andrezj é o popular, que aparece nas capas de jornais quando ambos conquistam um grande feito, é ele que tira todas as selfies e é ele o mais extrovertido. Marcel vê-se farto de existir apenas na sombra do seu parceiro de alpinismo e das suas atitudes, então toma a iniciativa de ser ele a chegar ao topo, mas as coisas não correm como esperado.

Em stop-motion, a curta arranca risos a todo o público, retratando muito bem a realidade de ter um amigo chato que quer sempre o spotlight. O discurso entre os dois amigos é feito apenas com grunhidos, mas não é preciso palavras para percebermos o que estão a dizer – a imagem diz-nos tudo.

Entre sombras, de Mónica Santos e Alice Guimarães

Esta curta dá um novo sentido à expressão “dou-te a chave do meu coração”. A curta passa-se num universo onde os corações estão guardados e trancados numa gaveta cuja chave é seguramente guardada por cada um. Natália, a personagem principal, trabalha num banco onde os corações são depositados, como depositamos dinheiro. A sua vida monótona muda radicalmente quando aparece um charmoso estranho à procura do seu coração roubado.

Um film-noir animado fotograma-a-fotograma, aposta no mistério, algo que a banda sonora de Pedro Marques ajuda a alimentar. Um trabalho exímio de conexão de elementos técnicos como a luz, o preto e branco, as sombras, a música, e simbólicos como a sedução e o partir do coração.

Entre Sombras | Fonte: Divulgação