A nova coleção da marca de roupa de criança foi lançada no início do mês e o resultado nas redes sociais não foi o melhor. Os comentários nas redes sociais acusam a Zippy de criar uma linha associada a ideologias ou movimentos.

O QUE É A COLEÇÃO HAPPY?

“Be you, be colorful, be free, be happy” é o slogan da nova linha de roupa que suscitou polémica. A nova linha da Zippy para crianças é caracterizada pelas cores e pela versatilidade.

As peças podem ser usadas tanto por meninos, como por meninas. A coleção unisexo inclui o cor de rosa e o azul, mas também outras cores que, de acordo com a campanha da marca, procuram representar a personalidade das crianças.

As peças coloridas para a primavera vão desde os casacos hoodie, passando pelas t-shirts, até aos acessórios como sapatilhas e mochilas. Não há limitação no género, mas apenas idade que abrange desde os 3 aos 14 anos.

A linha é uma inspiração dos anos 80 e do estilo mais desportivo e colorido que se usava na altura. A coleção Happy é uma forma de celebrar e difundir através de uma só coleção o conceito de togetherness.

HAPPY // Ungendered Collection

HAPPY Ungendered Collection Be you, be colorful, be free. Be HAPPY! (sound on! 🔊)find out more here >> zippykidstore.site/happyptzippykidstore.site/happyes

Gepostet von Zippy am Samstag, 2. März 2019

A POLÉMICA

Tudo surgiu na publicação da novidade na rede social Facebook com fotografias dos modelos unisexo que já estão à venda nas lojas Zippy.

HAPPY // Ungendered Collection A capsule collection where colors are the star. Each color represents a personality and each item our capacity to celebrate them, bringing them together.

Gepostet von Zippy am Sonntag, 3. März 2019

Na publicação podem ler-se comentários negativos como: “As crianças nascem rapazes e raparigas, e não vai ser uma moda estapafúrdia que vai mudar a biologia, a ciência e a evolução antropológica do ser humano. Zippy nunca mais” (Patricia Sousa Uva).

Além de comentários, nasceu uma hashtag – #DeixemAsCriançasEmPaz – que se movimenta contra a edição unisexo.

Face aos comentários negativos, que associam a marca a ideologias e movimentos, há várias respostas na mesma publicação que mostram apoio sobre a nova campanha: “Muito boa iniciativa, Zippy! Permite a reutilização das peças, facilita a vida dos pais, e os filhos/as andam com imenso estilo! Continuem assim! Ambiente e famílias agradecem” (Francisco Viterbo).

Em forma de apoio, mas também de indignação à negatividade com que é vista a coleção Happy, vários portugueses reagiram à campanha: “É difícil ser a cores num país, muitas vezes, a preto e branco. Muitos parabéns à Zippy por ser uma marca Portuguesa verdadeiramente global” (Miguel Durão).

LÊ TAMBÉM: CARINA FIGUEIREDO: A PORTUGUESA QUE DEIXOU DE VIAJAR DE AVIÃO PELO AMBIENTE

A marca do grupo SONAE reagiu aos comentários negativos da publicação na rede social Facebook: “A coleção Happy não tem qualquer associação a ideologias ou movimentos. Esta é uma coleção cápsula com peças unissexo, que podem ser usadas tanto por meninos como por meninas. A HAPPY materializa o espírito prático e funcional da Zippy. Com esta linha, queremos facilitar os pais na hora de vestir as suas crianças, dando-lhe opções versáteis e que podem ser passadas de irmãos para irmãs, de primas para primos, e vice-versa. Equipa Zippy”

Entre apoiantes que passaram a ser novos clientes da marca e país que dizem não querer que os filhos vistam mais peças da Zippy, a verdade é que a coleção está disponível nas 50 lojas físicas de norte a sul do país e também online.