Chama-se Under, está localizado no sul da costa norueguesa, e é o primeiro restaurante subaquático da Europa.

O projeto foi da autoria da empresa Snøhetta, empresa norueguesa dedicada à arquitetura e ao design, e foi desenvolvido com o objetivo de se integrar por completo no ambiente marinho, sendo que toda a estrutura irá funcionar como um recife artificial, não comprometendo assim o ecossistema marítimo.

A infraestrutura foi concebida para suportar o choque e a pressão das ondas do mar, oferecendo segurança aos os seus clientes. No total, o espaço acomoda entre 30 a 45 pessoas.

Kjetil Trædal Thorsen, fundador e arquiteto da Snøhetta, explica que  “O restaurante Under é uma progressão natural de nossa experimentação sem fronteiras” e acrescenta ainda que este projeto vai desafiar o modo como olhamos para o mundo e, sobretudo, a vida abaixo da linha de água.

@underlindesnes

Neste sentido, é importante referir que, para além de ser um restaurante, o Under funciona também como um centro de pesquisa para a vida marítima, sendo, de certo modo, uma homenagem não só aos seres marítimos, mas também para destacar a beleza da costa norueguesa.

LÊ TAMBÉM: SUSHI PARTY: NOORI CELEBRA 10º ANIVERSÁRIO COM NOVIDADES NO MENU

Com este centro, os investigadores vão poder observar e documentar  população, o comportamento e a diversidade de espécies que vivem no local, podendo assim melhorar averiguar as necessidade e melhorar a gestão dos recursos marítimos no país.

“(O) Under propõe combinações inesperadas e desafia o que determina a colocação física de uma pessoa no seu ambiente.”
(Kjetil Trædal Thorsen)

Relativamente à culinária, o dinamarquês Nicolai Ellitsgaard assume a liderança na cozinha do Under, juntamente com uma equipa de 16 elementos de diversos pontos do mundo e com experiência em restaurantes premiados com estrelas Michelin.

@underlindesnes

O propósito de Ellitsgaard não é apenas a criação de pratos, mas sim criar uma experiência gastronómica desenvolvida com produtos locais, de alta qualidade, e, segundo a revista L’Officiel, dando destaque à “captura sustentável de vida selvagem.”