Esta quarta-feira (13), alguns utilizadores do Facebook e de outras plataformas pertencentes à  mesma companhia estão com dificuldade em utilizar as suas contas. Desde as 15h00 que estão a ser reportados diversos problemas em aceder, publicar ou até mesmo colocar “likes”. Quer o site, quer as aplicações do Facebook, Instagram, WhatsApp estão “em baixo” e o mundo desconhece, para já, o porquê.

Durante a tarde e noite de quarta-feira, diversas regiões do globo começaram a experienciar “a falta” destas redes sociais. Entre as zonas afetadas encontram-se o continente americano e a Europa.

De acordo com o site DownDetector.com, os relatórios de erros relacionados com o Facebook, ascenderam a mais de 11 mil entre as 17h00 e as 20h00. Já o Instagram registou mais de 19 mil erros cerca de duas horas mais tarde. O Messenger e o WhatsApp são, ainda, as plataformas com menos erros reportados.

Vários utilizadores queixam-se de não conseguir fazer login nas suas contas, publicações, colocar gostos, enviar mensagens ou atualizar o seu feed. Uma das hipóteses sugeridas para justificar esta falha informática foi um ataque DDoS – bastantes acessos simultâneos a servidores que permitem sobrecarregá-los e sabotar determinados websites.

Contudo, através do seu Twitter, o Facebook já veio desmentir que se trate de um ataque desta natureza e afirmou estar “a trabalhar para resolver o problema assim que possível”.

Entretanto, a origem do problema ainda não foi revelada. Aos utilizadores que não conseguem aceder às suas contas aparece a mensagem: “O Facebook vai voltar em breve. Neste momento, o Facebook está indisponível para manutenção obrigatória, mas deves poder voltar dentro de algumas horas. Entretanto, lê mais sobre o motivo desta mensagem. Obrigado pela tua paciência enquanto melhoramos o site“.

Entretanto, o mundo parece estar a “perder a cabeça”. No Twitter, as reações multiplicam-se. Como se pode constatar ao pesquisar a hashtag #facebookdown, são inúmeras as reclamações. Por outro lado, também vão surgindo cada vez mais referências ao facto do Twitter ser a “única” rede social totalmente funcional, de momento.