O escritor francês Philippe Claudel vai estar em Lisboa no dia 21 de março para promover o seu mais recente romance, O Arquipélago do Cão. A apresentação do livro, disponível nas livrarias portuguesas a partir desta quinta-feira (14), terá lugar na Mediateca do Instituto Francês de Portugal.

O Arquipélago do Cão é uma parábola sobre o cinismo, a indiferença e a apatia moral dos tempos modernos, cujo cenário é uma pequena ilha mediterrânea, dominada por um vulcão, onde nada acontece.

Mas a pacata vida dos habitantes do Cão que praticam a pesca, a agricultura e a vinha sofre uma reviravolta quando, um dia, três corpos negros vão dar à costa.

“A história que ides ler é tão real como vós o sois. Passa-se aqui, tal como teria podido desenrolar-se ali. Seria demasiado cómodo pensar que aconteceu noutro lugar. Os nomes dos seres que a povoam pouco importam. Poderiam ser alterados. Pôr os vossos no lugar deles. Assemelhais-vos tanto, procedendo do mesmo molde inalterável. Estou certo de que, mais cedo ou mais tarde, fareis a vós próprios uma pergunta legítima: terá ele sido testemunha do que nos conta? A minha resposta é: sim, fui testemunha disso. Tal como vós o fostes, mas não quisestes ver”, lê-se na sinopse do livro.

Phillippe Claudel

Foto: Sextante Editora

À semelhança de outras obras de Philippe Claudel, O Arquipélago do Cão leva o leitor a refletir sobre algumas questões fundamentais dos dias de hoje, neste caso, a tragédia das migrações mediterrâneas.

O autor vem a Portugal

A apresentação do romance (dia 21 de março) que, para além do autor, conta com a presença do tradutor Artur Lopes Cardoso, começa a partir das 19h nas instalações do Instituto Francês de Portugal, em Santos.

Depois de A Investigação (2012), Perfumes (2014) e A árvore dos Toraja (2017), O Arquipélago do Cão é o quarto romance da sua autoria publicado em Portugal pela Sextante Editora.

Nascido em 1962, Philippe Claudel é um escritor e argumentista francês, cuja vasta obra, traduzida para cerca de 30 línguas, foi distinguida com inúmeros galardões.

Lê também: Prémio Branquinho da Fonseca procura novos talentos de literatura