Tír na GNOD | Divulgação do festival (retirado do Facebook) (c) Vera Marmelo

Tremor fecha cartaz da sexta edição

O festival Tremor, que se realizará entre 9 e 13 de abril, na ilha de S. Miguel, nos Açores, fechou agora o cartaz daquilo que vai ser a sua sexta edição. Como já é habitual, o festival apresenta um cartaz que vai além da música: os espectadores do Tremor poderão explorar a natureza e a comunidade da ilha, envolvendo-se num ambiente que, por si só, é único.

Hailu Mergia, Yin Yin e Fumaça Preta foram as confirmações que encetaram o cartaz. Za!, Rubén Monfort, que irá expor uma coleção de fotografias, Despensas de Rabo de Peixe, grupo folclórico composto exclusivamente por homens que tocam castanholas, e o colectivo ondamarela, que se junta à Escola de Música de Rabo de Peixe (escola de jazz) e à Associação de Surdos de São Miguel são as residências artísticas que este ano estarão em S. Miguel, juntamente com Renato Cruz Santos e Duarte Ferreira, que apresentarão Sístole, um grupo de instalações que vão fundir o visual e o sonoro, incorporando-os no ambiente da ilha.

Do cartaz destaca-se obviamente Jacco Gardner. O multi-instrumentista holandês não vinha a solo a Portugal desde 2016, mas apenas enquanto membro dos The Mauskovic Dance Band, que atuaram o ano passado no Milhões de Festa. Os Pop Dell’Arte apresentarão a extensa discografia, que conta com o álbum mais recente Contra Mundum, para uma legião de fãs que contribui para a consagração da banda enquanto banda de culto. Bulimundo vão representar Cabo Verde, sendo uma das principais bandas de funaná. The Sunflowers apresentarão o rock cru português.

O Tremor, contudo, oferece mais do que apenas o cartaz. Investindo em conceitos como os concertos surpresa – nos quais a comunidade da ilha de São Miguel desempenha um papel fulcral, tal como nos restantes – ou o Tremor-Todo-o-Terreno, – que consiste numa série de trilhos de caminhada com música personalizada – o Tremor renova a própria ideia de festival.

O Tremor é só mais uma prova de que, cada vez mais, os festivais têm de se superar, oferecendo conceitos que atravessam a música, sem esquecer nunca o seu papel central. O ecletismo do cartaz, bem como o cenário idílico e o sentido de pertença e comunidade que todos os que vão sentem criam aquilo que faz do Tremor um dos festivais com mais sentido em Portugal. Os bilhetes já estão à venda.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
How To Get Away With Murder
Crítica. ‘How To Get Away With Murder’ choca os fãs com um final marcante