A Niantic Labs espera atingir o sucesso viral do Pokémon GO pela segunda vez com a mesma fórmula: um jogo de exploração em realidade aumentada (AR) baseado em um fenómeno cultural, desta vez, o universo mágico de Harry Potter.

O resultado é Harry Potter: Wizards UniteTem data de lançamento para 2019 e já está disponível para pré-registo na Google Play Store, com abertura para iOS em breve.

O jogo está a ser desenvolvido em conjunto com a Portkey Games, estúdio da Warner Bros. criado especificamente para projetos relacionados com a franchise Wizarding World.

A aventura passa-se no presente, depois dos filmes e livros. Os jogadores fazem parte de uma equipa do Ministério da Magia para proteger o estatuto secreto do mundo mágico, que está prestes a ser comprometido pelo surgimento de Foundables, eventos e criaturas mágicas à solta no mundo Muggle.

À primeira vista, o jogo parece idêntico a Pokémon GO. Os Foundables são coleccionados numa espécie de caderneta, tal como o Pokédex. Poké-bolas tornam-se energia mágica e Poké-stops são agora tabernas para recuperar essa energia com comida. Os Ginásios dão lugar a Fortalezas, onde se encontram os Foundables mais raros.

Imagens do jogo Harry Potter: Wizards Unite

Imagem: Niantic Labs / Warner Bros.

Mas Wizards Unite traz novas adições à estrutura familiar que prometem tornar o jogo mais complexo e envolvente. O sistema de combate é mais envolvido, requerendo que o jogador desenhe no ecrã os movimentos do feitiço.

Apesar de não haverem equipas como no Pokémon GO, há um maior foco em cooperação. Equipas até quatro jogadores podem abordar as fortalezas e planear o seu ataque.

Há também uma narrativa centrada no desaparecimento de cinco feiticeiros em Londres que estão relacionados com o surgimento inesperado dos Foundables.

É também possível preparar poções para ajudar em combate em estufas espalhadas pelo mapa. Os ingredientes dependem não só da altura do dia e metrologia, mas também da fase da lua.

És um feiticeiro, Harry

O jogador tem agora três profissões à escolha: Auror (detetives do mundo mágico), Magizoólogo (como Newt Scamander) e Professor. Cada uma delas traz uma árvore de habilidades semelhante ao que encontramos num jogo de acção ou RPG de consola. É possível trocar de profissão a qualquer altura dependendo da tarefa.

Para além disso, cada jogador tem um cartão de identidade com a sua casa de Hogwarts e uma foto de perfil completa com filtros AR como a cicatriz irónica de Harry ou os óculos de Luna Lovegood.

Atravessar o portal

A principal novidade face aos jogos anteriores são as portkeys. Tal como nos livros e filmes, são objetos que nos transportam para outros locais, abrindo fissuras em AR para que possamos atravessar e ver locais icónicos do Wizarding World através do nosso ecrã.

Estas experiências são desbloqueadas através de Portmanteaus, que são alimentados por passos tal como os ovos em Pokemón GO.

Lê também: Daniel Radcliffe revela segredo das filmagens de Harry Potter