Esta quinta-feira à tarde, a 52ª edição de ModaLisboa abriu as suas portas ao público. A ModaLisboa Insight foi palco das apresentações dos jovens designers da plataforma criativa WORKSTATION, assim como das conferências Fast Talks, nesta edição, dedicadas à moda sustentável. As Carpintarias de São Lázaro, junto ao Martim Moniz, foram o local elegido para os eventos, que decorreram das 17h às 18h.

filipe augusto

Filipe Augusto foi um dos designers a integrar a plataforma WORKSTATION desta edição de ModaLisboa

Apresentações | Workstation

Entrando nas grandes salas das Carpintarias de São Lázaro, deparamo-nos com as criações dos quatro designers de moda convidados a integrar a WOKSTATION desta edição. António CastroFilipe AugustoCristina Real e David Pereira apresentaram-nos as suas propostas para as estações de outono e inverno de 2019.

António Castro

Na edição anterior, transportou-nos para as ruas do Oriente, aliando a street fashion a trajes tradicionais indianos. Desta vez, António Castro procura contar as histórias de viagem de flâneurs e flâneuses pelo Japão.

Mas se já no século XIX a arte de vaguear pelas ruas significava — pelo menos, para o escritor Victor Fournel — compreender a rica variedade da paisagem da cidade, no século XXI ainda se vai mais longe. «Experiment 3» convida a lançar um olhar atento sobre a sociedade e mundo que nos rodeiam, para que nos tornemos participantes ativos nos mesmos e não meros caminhantes vadios a quem a vida passa ao lado.

Segundo o Observador, António Castro passou um mês e meio de viagem pelo Japão. Foi daí que retirou as referências para a sua coleção, mostrando-nos agora uma seleção de roupas sem género, criadas a partir de resquícios de outras peças. A variedade de padrões, técnicas e materiais — muitos destes últimos trazidos do Japão —, conferem um estilo boémio aos conjuntos, que assentariam que nem uma luva a um flâneur moderno.

Filipe Augusto

Natural de Peso da Régua, Filipe Augusto não esquece as origens e até as transporta para as suas criações: a sua mais recente coleção lembra-nos a forte presença dos rituais religiosos em Peso da Régua, onde se organizam anualmente grandes festas em honra de Nossa Senhora do Socorro, durante o mês de agosto. Mas os rapazes que vestem as criações do designer não parecem participar, pelo menos de momento, em procissões. Antes ficam sentados, a ouvir atentamente o padre que dá a missa de domingo na aldeia. Para isso, claro, vestem as suas melhores roupas: o chamado “fato domingueiro”.

Tal como na última edição de ModaLisboa, o designer reguense recuperou novamente do baú peças clássicas dos guarda-roupas das personagens que tenta representar, sejam estas donas de casa em aventais floridos e lenços ao pescoço ou meninos de igreja em pulôveres, calções e meias pelas canelas. Porém, reformou os básicos: os blazers ganharam pujança num xadrez espalhafatoso, calças revelaram-se sob um par de calções, os conjuntos construíram-se de camadas e camadas de roupa (a dupla gola teve o seu momento de estrelato nesta coleção). Até um vestido de renda entrou no repertório de Filipe Augusto — não sabemos é se entrava pelas portas da igreja da aldeia.

Cristina Real

Cristina Real apresenta-nos «Trail Map», uma coleção inspirada nas estâncias de esqui a abarrotar de socialites, cenários captados pela lente do fotógrafo Slim Aarons. As criações da designer trazem à memória os retratos de famílias célebres que brincam na neve, jet-setters que conversam descontraidamente, famosos que esquiam em grandes grupos e depois se encontram para comer bratwürste no topo da montanha.

Em oito coordenados, Cristina Real procurou integrar dois conceitos: por um lado, o luxo próprio de um resort de inverno digno de destino de férias das elites e, por outro, a complexidade dos roteiros de esqui, que chegam a assemelhar-se a labirintos. Para isso, adicionou nuances desportivas a silhuetas estruturadas, num guarda-roupa a preto, vermelho, amarelo, rosa e azul. Consegues imaginar ombros volumosos, casacos de penas, vestidos de noite fluidos, calças retas e cinturas marcadas — tudo numa celebridade de meia-idade numa estância de esqui? Cristina Real transpôs a ideia na tua mente para uma coleção de outono/inverno.

David Pereira

Nesta quinta-feira à tarde, David Pereira foi quem trouxe mais movimento ao espaço amplo das Carpintarias de São Lázaro. As suas modelos torciam-se e retorciam-se, iam e vinham, como se de marés se tratassem. E se, por um lado, a nova coleção do designer se inspira nas flutuações da água influenciadas pela Lua, por outro, também se orienta pela forma como o luar age sobre os ritmos biológicos do ser humano. Mas como é que isto se transforma numa série de criações de moda?

O jovem designer traz-nos «Moon», que, na teoria, se rege por princípios naturais: as leis lunares, digamos. Daí nascem roupas confortáveis, muitas feitas em malha, mas também peças que materializem o equilíbrio que determina as fases da lua — e todas as outras coisas —, tanto nas proporções, como nas cores. Casacos largos e sweatshirts cortam à cintura vestidos justos e compridos; uma paleta de cores sóbria pinta-se de opostos — desde o branco ao preto —, remetendo tanto para a luz e escuridão como para a vida e morte.

LÊ TAMBÉM: DIA DA MULHER: PRESENTES DE MULHER PARA MULHER

Fast Talks

Às 18h, começaram as conferências Fast Talks, espaço onde profissionais do mundo da moda trocam ideias, experiências e reflexões sobre as questões que assolam o universo da moda contemporânea.

Este ano, e sob o mote Fashion and Experiences, Catherine da Silveira (especialista em identidade de marca e cocriação), Flavia Aranha (fundadora da marca ecológica Flavia Aranha), Julien da Costa (repórter de moda) e Miguel Bento (cenógrafo), moderados por Joana Barrios (autora do blog TRASHÉDIA), falaram sobre a importância da sua experiência na criação de moda.

O debate, que focou a relevância que a moda consciente e sustentável tem vindo a assumir nos últimos anos, foi complementado por um guia de boas práticas lançado pela ModaLisboa. No mesmo, podes consultar a política de sustentabilidade defendida pela ModaLisboa, assim como algumas sugestões sobre como tornar a moda mais amiga do ambiente.