Na história do Festival da Canção, as canções favoritas do público nem sempre corresponderam às favoritas do júri. Nas semifinais da competição, o júri pode decidir em caso de empate, tendo a capacidade de retirar um favorito do público do festival. Já na grande final, é o público o mais valorizado. O Espalha-Factos relembra cinco casos na história do Festival em que o júri e o público não foram nada consensuais.

Pedro Gonçalves – Don’t Walk Away (2017)

Pedro Gonçalves interpretou  Don’t Walk Away na edição de 2017 do Festival da Canção. Composta por João Pedro Coimbra, a canção foi a grande vencedora no televoto da segunda semifinal, a 26 de fevereiro. No entanto, o júri deu-lhe apenas 4 pontos, preferindo Primavera de Celina da Piedade.

A canção continuou até à final e Pedro Gonçalves ficou em 6.º lugarDon’t Walk Away era apontada como uma das favoritas à Eurovisão por ser cantada em inglês e ser diferente da maioria das apostas portuguesas. No entanto, Portugal acabou por vencer o concurso internacional nesse ano com Amar Pelos Doiscantada em português por Salvador Sobral.

Leonor Andrade – Há um Mar que nos Separa (2015)

Há um Mar que nos Separa foi a canção que representou Portugal no Festival Eurovisão da Canção em 2015. No entanto, foi graças ao público, e não ao júri, que a canção foi apurada.

Composta por Miguel Gameiro e interpretada por Leonor Andrade, Há um Mar que nos Separa venceu graças ao televoto. O júri preferia a canção de Gonçalo TavaresTens uma Mágica. Leonor Andrade não passou à final da Eurovisão.

Carlos Costa – Queres que eu Dance (2012)

Apesar de não ter sido o grande favorito do público, Carlos Costa ficou em 2.º lugar no televoto com 10 pontos. Contabilizando apenas a votação do público, Queres que eu Dance teria conseguido a medalha de prata, perdendo apenas para Filipa Sousa. Mas com os zero pontos atribuídos pelo júri, a canção escrita por João Só acabou por ficar em 6.º lugar na final do Festival da Canção 2012.

Filipa Sousa acabou por vencer, tanto no televoto, como na pontuação do júri, com a canção Vida Minha, composta por Andrej Babić e Carlos Coelho. É certo que o público não esqueceu a atuação enérgica de Carlos Costa, que continua a mostrar o seu amor pelo Festival Eurovisão da Canção. Este ano, o artista candidatou-se para representar a Bielorrússia em Israel.

Homens da Luta – Luta é Alegria (2011)

Os Homens da Luta venceram no televoto em 2011 e puderam representar Portugal no Festival Eurovisão da Canção, em Düsseldorf. Ainda que criticados por muitos, a verdade é que foi o público que os escolheu. A preferência do júri era a canção São os Barcos de Lisboa, de Nuno Norte, que ficou em terceiro lugar.

Luta é Alegria, com música de Vasco Duarte e letra de Jel, obteve 12 pontos do público, mas apenas 6 do júri. Portugal acabou por ficar em 18.º lugar na semifinal da Eurovisão, não tendo passado à final.

Catarina Pereira – Canta por Mim (2010)

Catarina Pereira perdeu em 2014 para Suzy e em 2010 para Filipa Azevedo. Mas se tivesse sido o público a decidir, a canção Canta por Mim teria sido a grande vencedora em 2010. Escrita pela dupla Andrej Babić e Carlos Coelho, a canção obteve 12 pontos do público na final do Festival da Canção 2010. Para o júri, mereceu apenas 6 pontos.

A canção vencedora, com 12 pontos do júri, foi Há Dias Assim, interpretada por Filipa Azevedo, que ficou em 18.º lugar na final da Eurovisão.

Lê Também: Festival da canção: as músicas que, sem terem ganho, não nos saem da cabeça