Cristina Ferreira teve emissão especial este domingo (24), naquela que foi mais uma tentativa da SIC para manter a dianteira nas contas de fevereiro. A apresentadora liderou, mas no fim de contas só chegou mesmo para reduzir distância face à TVI, que continuou em primeiro neste dia da semana.

A audiência média foi a maior de sempre para o Programa da Cristina, que chegou aos 7,1%, mas no share o domínio não foi esmagador como nas manhãs. 20,9% contra 17,7% do Somos Portugal, que ainda assim deixou a liderança habitual.

Nas contas diárias, Queluz marcou 19,2% contra 17,9% da congénere de Paço de Arcos. E, nas contas mensais, a SIC lidera por 18,4 contra 18,3% nos primeiros 24 dias do mês. A emoção mantém-se no duelo entre estações privadas.

TVI impõe o ritmo no horário nobre

Foi no horário nobre que a TVI deu baile. Dança com as Estrelas chegou ao fim com 12,4% de audiência média e 29% de share, registando a melhor quota de mercado desde a estreia. Lip Sync Portugal não foi concorrente à altura: marcou 7,4% de audiência média e 17,1% de share, o pior score do ano.

Ainda antes disso, o Jornal das 8 já tinha sido esmagador. O informativo registou 13,4% de audiência média e 25,5% de share, sendo o programa mais visto do dia. A ajudar às contas esteve o bloco humorístico Gente Que Não Sabe Estar, que conquistou 14,1% de audiência média. À mesma hora, o Jornal da Noite da SIC não foi além dos 10,3% de audiência média e 19,6% de share.

Outros destaques do dia

  • A FOX marcou 3,3% de share e empatou com a CMTV no primeiro lugar entre os Canais Cabo. A programação de cinema do canal, com Soldados da Fortuna, Velocidade Furiosa 5 e Velocidade Furiosa 6 manteve o share sempre acima dos 4% no período da tarde (15h às 20h).
  • Os programas da tarde de domingo da RTP1 continuam a acumular maus resultados: Faz Faísca (2,5% / 8,2%) e A3.30 (1,2% / 4,4%) bateram novos mínimos de espectadores.
  • Divergente, emitido na Sessão da Tarde da RTP1, marcou o melhor resultado do ano para a rubrica. Foram 3,4% de audiência média e 8,3% de share, beneficiando da ausência de cinema na SIC.