A entrega anual dos Oscars aproxima-se a passos largos. É já no próximo domingo (24) que a Academia vai premiar os melhores trabalhos da indústria cinematográfica, naquela que será a sua 91.ª cerimónia.

Entre os sussurros da introdução de uma nova categoria que, entretanto, já foi adiada e a barulheira da polémica em torno da sua emissão em direto, a cerimónia mais famosa do mundo ainda tem espaço para alguma música. O Oscar de Melhor Canção Original é atribuído desde 1935 e premeia as melhores contribuições musicais escritas com o propósito de ilustrar e integrar um filme.

Este ano, como é habitual, são cinco as canções nomeadas; todas, exceto All the Stars, serão interpretadas, ao vivo, na cerimónia. O Espalha-Factos dá-te a conhecer melhor cada um dos temas escolhidos, para que neste domingo possas apostar com consciência no vencedor da estatueta dourada.

LÊ TAMBÉM: DESCOBRE ONDE PODES VER OS OSCARS 2019

All the Stars, de Kendrick Lamar, Al Shux, Sounwave, SZA e Anthony Tiffith – Black Panther

No início, Kendrick Lamar estava destinado a participar em apenas alguns temas da banda sonora de Black Panther. Contudo, depois de ter visto o filme completo, o rapper norte-americano decidiu produzi-la na sua totalidade a par com Anthony Tiffith, fundador da editora Top Dawg Entertainment.

Todo este processo deu origem ao disco Black Panther: The Album, que serve como soundtrack oficial do filme. O realizador Ryan Coogler escolheu a colaboração com Kendrick por acreditar que “os seus temas artísticos alinham-se com aqueles que exploramos no filme”.

All the Stars é o single inaugural de Black Panther: The Album e conta com a participação da cantora SZA no refrão. A sua produção esteve ao cargo de Al Shux e Sounwave, que desenvolveram o tema a partir de um sample da música The Greatest View, do australiano Flume. Se All the Stars vencer o prémio, Kendrick Lamar passará a ser dos poucos artistas a ter conseguido a proeza de ser premiado com um Oscar e um Pulitzer.

I’ll Fight, de Diane Warren e Jennifer Hudson – RGB

Esta canção foi escrita por Diane Warren, compositora que conta já com a décima nomeação ao Oscar de Melhor Canção Original sem nunca o ter ganho. A interpretação foi conseguida por Jennifer Hudson, cantora e atriz que em 2007 arrecadou o Oscar de Melhor Atriz Secundária pelo Dreamgirls.

Ao contrário das restantes músicas, nomeadas por estarem associadas a filmes de ficção, I’ll Fight concorre por um documentário. Chama-se RGB e é sobre Ruth Bader Ginsburg, juíza da Suprema Corte dos Estados Unidos conhecida por pertencer à ala liberal da corte.

Com esta administração e com a constante violação dos nossos direitos, precisamos de alguém que lute por nós. Ruth Bader Ginsburg tem-no feito há 40 ou 50 anos, e continua a fazê-lo”, sublinha Diane Warren.

The Place Where Lost Things Go, de Marc Shaiman e Scott Wittman – O Regresso de Mary Poppins

The Place Where Lost Things Go dá música a O Regresso de Mary Poppins, remake do clássico da Disney, de 1964. Esta balada foi escrita por dois compositores. Responsável pelas melodias e pela letra da música, Marc Shaiman está pela sétima vez nomeado nesta categoria e já arrecadou um Grammy, um Emmy e um Tony ao longo da sua carreira.

Scott Wittman, pela primeira vez nomeado ao Oscar, ajudou na parte lírica da canção. “Na minha opinião, tudo remonta a Pamela Lyndon Travers [escritora do livro ‘Mary Poppins’]. A canção expressa uma espiritualidade muito própria”, esclarece.

Emily Blunt é a atriz principal de O Regresso de Mary Poppins e foi também a intérprete da canção. No filme, Mary Poppins canta a música às crianças quando elas acordam de um pesadelo.

Shallow, de Lady Gaga, Mark Ronson, Anthony Rossomando, Andrew Wyatt e Benjamin Rice – Assim Nasce Uma Estrela

Shallow foi escrita por uma série de compositores conhecidos, dos quais saltam à vista Lady Gaga e Mark Ronson, e já é considerada a favorita na corrida ao Oscar. Este ano, a música já venceu nos Globos de Ouro e nos Critics Choice Awards pela mesma categoria.

Gaga cantou com Bradley Cooper, ator e realizador do filme, cuja interpretação valeu a ambos a nomeação aos Oscares de Melhor Atriz e Melhor Ator Principal. A cantora está, assim, duplamente nomeada este ano.

Assim Nasce Uma Estrela é um remake do filme de 1937 com o mesmo nome. Em 1977, o terceiro remake realizado para esta história ganhou o Oscar de Melhor Canção Original com Evergreen, cantada por Barbra Streisand. Para além da nomeação, Shallow já esteve no quinto lugar do Top 100 da Billboard e atingiu o topo das tabelas em vários países, inclusive em Portugal.

When a Cowboy Trades His Spurs for Wings, de David Rawlings e Gillian Welch – A Balada de Buster Scruggs

A Balada de Buster Scruggs é uma comédia dramática dos irmãos Coen que conta seis peripécias passadas no velho oeste. Com efeito, When a Cowboy Trades His Spurs for Wings pertence ao registo western, tendo valido aos compositores David Rawling e Gillian Welch a sua primeira nomeação pela Academia. “Se alguém tivesse a oportunidade de escrever sobre um duelo de pistoleiros, quem não aproveitaria para incluir um pouco de tirolês na música?”, disse Welch.

O tema assenta na ideia de que é possível viver uma vida melhor depois da morte. É isso mesmo que dá significado à frase “when a cowboy trades his spurs for wings”, que traduzida à letra se torna “quando um cowboy troca as esporas por asas”.

No filme, a canção é executada pelos atores Tim Blake Nelson e Willie Watson e ilustra a cena do duelo entre Buster Scruggs e The Kid, personagens por eles respetivamente interpretadas.